Profissionais apaixonadas por carros

Profissionais apaixonadas por carros

Reprodução

Que os brasileiros são apaixonados por carros todo mundo sabe. Mas eles não são os únicos! Após conquistarem o mercado de trabalho, as brasileiras provam que também são feras atrás do volante e, cada vez mais, ganham espaço como profissionais do setor automotivo. São motoristas de táxi, de caminhão, transporte escolar, profissionais descoladas em concessionárias de veículos, em lojas de acessórios automotivos. Cada uma com suas histórias e perfis. Todas apaixonadas por carros. Pois, então, aperte o cinto e conheça a seguir duas grandes profissionais que se realizam sobre quatro rodas!

Cátia Marisa Tappi tem 33 anos e mora em São Paulo. Casada, há seis ela começou a trabalhar como consultora automotiva. Antes disso, era auxiliar administrativa.

"Me envolvi nesta área por meio do meu marido, que está na profissão há 15 anos. Tudo que sei aprendi com ele, mas não foi fácil. Antes disso, a vida da gente era complicada, tínhamos muitas brigas porque tudo era voltado para o trabalho e a convivência familiar era curta. Na época, surgiu o filme ‘Velozes e Furiosos’, e assisti uma cena de uma moça entre os carros. Aquilo iluminou o meu caminho e vi que eu poderia me tornar uma profissional da área".

Cátia conta que começou, então, a observar e aprender sobre o novo trabalho. E, junto com o marido, montou uma loja de acessórios automotivos que oferece, entre outros serviços, a instalação de som e personalização de veículos. "Foi o primeiro passo que arrisquei e deu certo tanto no trabalho quanto na nossa união. Me sinto importante por trabalhar numa área dominada por homens e eu, representando a minoria, mostro que nós mulheres podemos fazer a diferença!".

O trabalho não afasta Cátia do prazer de ser mãe de Rafael, de 10 anos. "Tento fazer uma coisa de cada vez para não me estressar. Na parte da manhã, cuido da casa, do meu filho, meus bichinhos. Gosto do que faço e consigo conciliar bem com o papel de mãe e esposa".

Mas, ela conta, nem tudo é um mar de rosas. Às vezes surge o preconceito por trabalhar numa área onde a maioria dos profissionais ainda é formada por homens. "Na medida do possível, vou tirando de letra e mostro que sei trabalhar, desenvolver um bom projeto em conjunto com meu marido, orientar o cliente sobre o melhor caminho".

Cátia dá um recado para as mulheres que desejam trabalhar no ramo, mas ainda não se sentem preparadas. "Não tenha medo, tudo nessa vida é um aprendizado. Ontem eu não sabia nada, mas hoje posso dizer que deixo muito marmanjo para trás. Nós, mulheres, somos minoria no setor, mas fazemos bonito!".

Transporte urgente

Marineide de Lima Alves Silva, 43 anos, é outra profissional que ama o que faz. Há cinco anos ela é motorista de caminhão da Braspress, uma empresa de transporte de encomendas urgentes que, diga-se de passagem, há 11 anos adotou a filosofia de contratar mulheres para dirigir seus caminhões, realizando um programa de treinamento específico para elas até que se transformem em profissionais do volante.

Mas a história de Marineide por trás do volante começou há 9 anos, pois antes do atual emprego ela trabalhava como motorista de transporte escolar. Divorciada, mãe de dois meninos, ela conta como tudo começou.

"Eu sempre gostei de dirigir e achava bonito ver uma mulher dirigindo um veículo tão grande como é um caminhão. Como sou calma e muito cautelosa, logo vi que me daria bem na área".


E se deu mesmo! Atualmente, Marineide trabalha de 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h. E concilia muito bem a vida profissional com o papel de dona de casa. "Não tem jeito, a jornada é dupla. Mas isso acontece com as mulheres em qualquer profissão". E, na direção, ela diz que não estressa e não descuida da beleza.

"A vaidade não precisa e nem deve ser deixada de lado. Faço minhas unhas, cuido do cabelo. Gosto de estar sempre com a aparência em dia". Marineide nem pensa em mudar de ramo. "Eu amo o que faço e nunca penso em parar".

Por Adriana Cocco

Comente