Balanço de final de ano na carreira profissional

Balanço de final de ano na carreira profissionalBa

Final de ano chegando e é sempre bom dar uma avaliada na carreira profissional. Por que é importante fazer esse balanço no final de ano? Para você definir o que quer na carreira, se está feliz e como pode melhorar.

"A avaliação da carreira profissional é constante, ela não deve ser feita somente no final do ano. Mas esse é a época mais propícia para uma reflexão, época em que normalmente se tem menos trabalho e as empresas fazem seus balanços. É a hora de checar o que você cumpriu do plano anteriormente traçado e o que não cumpriu, se está feliz agora ou não. Se não, concluir o porquê e traçar soluções", ensina Renato Grinberg, diretor do site www.trabalhando.com.br, uma comunidade online de ofertas de emprego.

O profissional deixa claro que, o ideal, é aproveitar o fim de ano para traçar metas para o ano seguinte. "Desde coisas simples como um curso, ou uma meta de vendas, como as mais complexas, como uma promoção", exemplifica.

Depois de feita a avaliação, o próximo passo a ser seguido é o desenvolvimento de um diagnóstico. É ele que te dará um caminho para solucionar os problemas anteriormente traçados. "O diagnóstico é fazer um plano de ação, se quer mudar de empresa, de área, para o que for", explica Renato. E sempre ponha isso no papel. Escrever funciona como promessa e, durante o processo, o objetivo pode ser redefinido. "É fundamental que a pessoa tenha caminhos. Se não tiver, então qualquer um serve. E se qualquer um serve, a chance de chegar lá é bem menor", adverte o profissional.

Para se ter sucesso em qualquer carreira é necessário conciliar a necessidade com o que a pessoa pretende fazer. "Por exemplo: se eu tenho o sonho de ser um surfista, mas fui morar em um local que não tem praia, não adianta de nada. Eu tenho que associar o meu sonho com a necessidade que a profissão exige", explica Renato.

Não adianta você ficar fazendo milhões de cursos que não te servirão efetivamente. "O profissional deve se informar, conversar com outras pessoas, não ficar apenas fazendo cursos", ressalta. Se eles não tiverem alguma relação direta com a carreira, talvez seja melhor priorizar outros.

"Uma pós(-graduação), por exemplo, é muito bem vista, mas não adianta fazer somente para colocar no currículo. Não adianta investir na pós se a pessoa pretende trabalhar em uma multinacional e não tiver inglês", exemplifica Renato.

Agregar valores ao currículo sempre é uma boa opção, mas a pessoa tem que saber o que ela quer e escolher cursos que complementem e a ajudem na profissão. "O mercado é competitivo e se você tem um diferencial que outra pessoa não tenha, sempre é uma chance a mais para alavancar a carreira", observa o profissional.


Independentemente do que se quer seguir, o mais importante é nunca parar de aprender. "O aprendizado é contínuo. Isso não quer dizer que o profissional tenha que ficar fazendo cursos pelo resto da vida, não. Significa se aprimorar naquilo que faz. Você tem a responsabilidade de sempre aprender, você tem que desenvolver o hábito de ler coisas da sua área, se informar sempre seja por revista, jornal, ou qualquer outro meio", encerra Renato.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente