Ativando projetos engavetados

Ativando projetos engavetados

Foto: Dreamstime

Entramos com o pé direito (ou não) em 2012 que chega repleto de desafios, obstáculos, dias de sol, de chuva, calor e frio. Mais um ano, mais uma jornada, mais um capítulo para a história pessoal de cada um de nós, empreendedores ou não.

Após as tradicionais reflexões de final de ano é chegada a hora de colocar a mão na massa. Com ou sem férias, com fôlego renovado ou ainda esgotado, o fato é que aquela história de que o ano só começa mesmo em fevereiro ou após o carnaval ficou para as lendas do passado. Tenham certeza disso, nesta altura do campeonato praticamente tudo já voltou ao normal e 2012 seguirá com toda a sua força.

Contando ou não com um planejamento detalhado para o que pretende realizar, o momento é especialmente promissor para rever aqueles projetos colocados de lado, por falta de tempo, ou por conta da existência de outras prioridades e até mesmo pela própria rotina e seus tradicionais problemas e problemões que invariavelmente tem o poder de nos colocar fora de foco ou em outras trajetórias.

Em muitos casos, no meio de um conjunto de esboços ainda não amadurecidos, pode residir algo efetivamente relevante para o seu futuro profissional ou para sua sobrevivência empresarial. Em resumo, este é um ótimo momento para dedicar-lhes alguma atenção.

Vamos lá:

1. Reúna todo o material referente aos projetos que foram colocados de lado. Textos, apresentações, observações e referências técnicas ou negociais, assim como os contatos relacionados;

2. Faça uma avaliação realista e cuidadosa do seu empreendimento, incluindo não apenas o modelo de negócio vigente mas também a sua viabilidade operacional;

3. Identifique os pontos convergentes entre o panorama avaliado e os projetos e ideias disponíveis;

4. Observe cuidadosamente a proximidade destes projetos com a linha de foco da sua empresa. Pode ser totalmente convergente e fortalecedor, assim como pode representar um distanciamento total;

5. Faça uma avaliação de viabilidade, inicialmente usando um apurado senso crítico e uma certa dose de prudente ceticismo;

6. Se o projeto sobreviver ao passo anterior, se ele conseguir superar o seu ceticismo, passe para uma avaliação de viabilidade econômica, produzindo um fluxo de caixa conservador e o mais detalhado possível, onde o máximo de variáveis possam ser consideradas, produzindo com isso os testes necessários de stress;

7. Se o projeto for aprovado de acordo com esses parâmetros técnicos de avaliação, pense se está mesmo disposta a seguir em frente. Esse processo é interno, pessoal, solitário e intrasferível.

8. Caso esteja convencida, passe a articular o apoio de sócios, colaboradores e parceiros;

9. Uma vez que tenha conquistado o comprometimento necessário, realize com os apoiadores um planejamento de execução detalhado, compartilhado e exaustivamente discutido;

10. Execute e avalie os resultados. Esteja sempre atenta para abortar o projeto antes do ponto de "não retorno".

Feliz 2012!

Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial, empresa que atua como uma agência independente na produção de conteúdo e informação.

Comente