Atitude na hora de pedir emprego

Atitude na hora de pedir emprego

Foto: Getty Images

Na festa que antecedia o Globo de Ouro não foram os vestidos ou os penteados que chamaram a atenção dos jornalistas. Foi a iniciativa de Angelina Jolie. A bela mostrou que não era nada tímida e quando viu o diretor Pedro Almodóvar passando, o chamou e disse em alto e bom som que queria integrar o elenco de um dos próximos filmes dele.

E você, teria coragem de pedir emprego assim? Será que essa espontaneidade realmente traz bons frutos? Segundo Branca Barão, especialista em comportamento humano, essa iniciativa fere um pouco as regras de etiqueta, mas ela também diz que o mercado às vezes busca pessoas que ultrapassem certas barreiras.

"As grandes oportunidades se perdem porque exageramos ou nos omitimos. A regra não seria ‘não peça emprego em público’, mas, sim, analise a situação, tente descobrir se é conveniente, se a pessoa está interessada em você ou no que você tem a dizer e até qual o humor da pessoa naquele momento", orienta.

Branca pensa que para tirar um resultado positivo desta iniciativa a pessoa deve fazer uso de inteligência, simpatia e estratégia, uma vez é preciso saber chamar a atenção, ser adequado, ter bom senso e, principalmente, perceber quando é a hora de parar. "Os grades riscos dos corajosos nestas situações são se passar por chatos. E estes não sabem que está sendo chatos, isso não é consciente", comenta.

A especialista em comportamento humano exemplifica, lembrando que o termômetro é sempre o bom senso: "É mais fácil puxar um assunto como esse em um bate-papo descontraído, com alguém que está dando atenção a você, do que pedir uma oportunidade a alguém que está com pressa para pegar o filho na escola, olhando para o relógio, com o celular tocando, enviando SMS ou chorando em um velório."

Quando a pessoa já faz parte do seu convívio, a situação se torna mais favorável. Mas isso não quer dizer que você não possa se aproximar de alguém que você admira, mas que não a conhece. "Inclusive este pode ser um ponto favorável, pois demonstra que você tem coragem, ousadia e conhecia seu alvo por algo que leu ou ouviu. Isso pode fazer com que a pessoa se sinta lisonjeada ao ser abordada", diz Branca.


Não existe uma determinada área de trabalho que aceite de bom grado esse tipo de iniciativa, apesar de Branca acreditar que profissionais ligados à arte tenham mais sucesso nessa investida. "Lembra daquele ditado ‘a ocasião faz o ladrão?’ Então, ele encaixa direitinho aqui! Se você sentiu que há abertura, que existe receptividade e que a oportunidade está sorrindo para você, agarre-a!", aconselha.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente