A temida negociação salarial

A temida negociação salarial

Não tem jeito. Quando o assunto envolve o seu salário sempre dá aquele "frio na barriga", não é mesmo? Mas ter essa conversa com seu chefe não é tão difícil quanto parece, você só precisa ficar atenta a alguns detalhes para não cometer nenhum deslize nesse momento que, seja qual for a empresa e tempo de trabalho, é delicado.

Saiba que enquanto você não demonstrar nenhuma insatisfação com o trabalho ou o salário, o seu chefe vai acreditar que você está contente com o que ganha. Mas, antes de expor essa situação, tenha certeza que você é merecedora desse aumento e está preparada para negociar ou assumir responsabilidades. Conhecer a política, cultura e visão da empresa vai te ajudar a escolher a hora certa de tratar do assunto (procure ficar interada, também, sobre a produção, faturamento, ranking no mercado, dívidas, etc).

Uma boa dica é saber qual o seu valor no mercado. Como? Faça perguntas a si mesma: você é altamente qualificada (cursos de extensão, pós-graduação, MBA, idiomas, experiência profissional). Especialistas da área de Recursos Humanos aconselham o funcionário ser coerente com o valor do aumento e levar em consideração o porte da empresa e o seu segmento (empresas grandes negociam menos, empresas pequenas ou médias apresentam mais facilidades).

Para conquistar o seu empregador, você precisa provar que é capaz, disposta, tem entusiasmo e ambição profissional (entusiasmo não é impetuosidade, ok?). E, acima de tudo, não desista na primeira negativa, você pode renegociar em outro momento.


Não se foque apenas na remuneração, você pode conseguir outras vantagens como, por exemplo, um plano de saúde melhor, carro da empresa, celular corporativo, participar de ações da empresa, etc. Lembre-se de não demonstrar ganância ou impaciência durante a negociação.

Por Livany Salles

Comente