Tricotilomania: como lidar com a compulsão

Algumas pessoas puxam seu cabelo intencionalmente para aliviar a tensão ou estresse
tricotilomania

Foto - Reprodução

A tricotilomania é um distúrbio que leva as pessoas a puxar fios de cabelo e pelos de diferentes partes do corpo, como couro cabeludo, cílios, sobrancelhas, região pubiana, axilas, barba, peito e pernas, resultando em áreas de alopécia claramente visíveis. 


Em alguns casos, o ato de puxar fios involuntariamente é algo que ocorre em momentos de distração e por isso, a queda capilar não é tão intensa. Nos casos mais graves, a tricotilomania vira obsessão e o desejo de arrancar cabelos pode ser tão forte que se torna quase incontrolável. Alguns sinais e sintomas da tricotilomania geralmente incluem:

- Puxar, repetidamente, os fios do cabelo, sobrancelhas ou cílios, com força;

- Apresentar um sentimento crescente de ansiedade e tensão antes de puxar os fios;

- Ter sensação de prazer ou alívio após o cabelo ser puxado;

- Ter áreas encurtadas ou desbastados no couro cabeludo ou em outras áreas do seu corpo, incluindo cílios e sobrancelhas esparsos ou ausentes;

- Morder, mastigar ou comer o cabelo puxado.

Outro sinal da doença está relacionado a puxar pelos de animais de estimação ou cabelos de bonecas ou de materiais, como cobertores. Grande parte dos que sofrem com a tricotilomania pratica o ato de puxar o cabelo quando estão sozinhos para tentar esconder de outras pessoas que sofrem com essa desordem. 

Algumas pessoas puxam seu cabelo intencionalmente para aliviar a tensão ou estresse, outras puxam os fios, mesmo sem perceber que estão fazendo isso, como quando eles estão entediados, lendo ou assistindo à TV.

A tricotilomania é uma doença de longa duração (crônica). Sem tratamento, os sintomas podem variar em termos de gravidade ao longo do tempo. Por exemplo, as mudanças hormonais da menstruação costumam piorar os sintomas em mulheres. Para algumas pessoas, se não forem tratadas, os sintomas podem aparecer e desaparecer durante semanas, meses, ou levar anos.

Por Renata Branco

Comente