10 dicas para evitar a caspa no inverno

10 dicas para evitar a caspa no inverno

Foto: May/BSIP/Corbis

Há que morra de vergonha e não admita que tenha caspa, aquelas bolinhas brancas que aparecem no couro cabeludo e acabam escorregando para as blusas, sobressaindo-se nas mais escuras, como o preto. A razão está na falta de informação sobre o problema. Embora seja considerada doença, está longe de ser contagiosa nem tem relação com falta de higiene.

Na medicina, a caspa é conhecida como dermatite seborreica, uma descamação em placas no couro cabeludo provocada pelo excesso de sebo - o óleo que recobre os fios - e pela proliferação de um fungo chamado Malassezia Globosa. Nos quadros mais intensos, há a presença de uma inflamação, que pode causar coceira, vermelhidão e feridas na área afetada, como face, sobrancelha, nariz, orelha, peito, costas e virilha.

Especialistas apontam que pessoas com algumas doenças do couro cabeludo, entre elas psoríase, e ainda a presença de foliculites ou infecção por fungos têm maior tendência a desenvolver caspa. A Sociedade Brasileira do Cabelo inclui na lista pacientes com parkinson, epilepsia, paralisia facial, poliomielite e quadriplegia. No mundo, estima-se que 50% da população sofram com a descamação, entre homens e mulheres.

As pessoas que sofrem do problema preferem esconder a cabeleira embaixo de gorros e bonés a recorrer a tratamentos. Só que elas não sabem que a prática agrava ainda mais o processo. Uma vez o couro cabeludo abafado favorece a proliferação de fungos e bactérias. Especialmente no inverno, quando o tempo fica mais seco e exageramos em banhos mais quentes e aumentamos o intervalo das lavagens do cabelo, ações que potencializam a descamação da pele do couro cabeludo.

Isso acontece porque neste período do ano as glândulas sebáceas produzem mais oleosidade, justamente para proteger o couro das agressões climáticas como ventos e frio. Ou seja, quem tem caspa não tem desculpa: pode estar nevando que é preciso lavar o cabelo todos os dias para remover os resíduos, agentes poluentes e eliminar as células mortas.

Outros fatores responsáveis pela descamação são o estresse e má alimentação. Além de controlar os nervos, que exaltados fortalecem a glândula sebácea levando a uma maior produção de sebo, aposte em uma dieta rica em frutas, verduras e proteínas. Evite consumir alimentos gordurosos, como frituras, chocolates ou creme de leite. Para desintoxicar o organismo, os fitoterapeutas recomendam beber chá de hamamélis, planta com ação antisséptica, e beber bastante água.

Truques ajudam minimizar o problema.

• Para começo de conversa, escolha o produto certo. O mercado de cosméticos tem enorme variedade de xampus que previnem a caspa;

• No entanto, fique atento às instruções. Há xampus que contêm antifúngicos, outros atuam na diminuição da inflamação da pele do couro cabeludo. Há, ainda, produtos com ácido salicílico e mentol com funções de diminuir a descamação e a coceira;

• Evite tomar banho e lavar os cabelos com água muito quente. Isso acaba ressecando o couro cabeludo que, para se defender, faz com que as glândulas sebáceas entrem em ação, produzindo mais oleosidade;

• Não vale botar força no esfrega-esfrega da cabeça. Isso ativa a produção de óleo pelas glândulas sebáceas, causando um efeito rebote (mais oleosidade). Massageie a cabeça com a ponta dos dedos e nunca com as unhas, o que pode formar feridas;

• Para garantir que cabelo não seja danificado, é recomendável lavar os cabelos a partir das raízes até as pontas;

• Não durma com o cabelo molhado e evite deixá-lo úmido abafado, como usar gorros ou bonés, e ainda prendê-lo;

• Evite o uso de secadores de cabelo. Caso não tenha como deixar o apetrecho de lado, diminua a temperatura. Chapinhas também não são aconselháveis;

• Cuide para que nessa época não haja abuso de produtos químicos no cabelo, pois o tempo seco favorece a propensão para irritações;

• O sol também é um aliado no combate à caspa. Ficar no sol de manhã, durante dez minutos e três vezes por semana, pode ajudar a minimizar o problema;

• Lembre-se: nem a química ou o condicionador causam caspa;

• Quando não tratada a tempo, a caspa pode levar à calvície, tanto em homens como em mulheres;

• E caso nenhum desses métodos alivie, procure um médico dermatologista.


Por Natália Farah

Comente