Ciclos astrológicos e fases de vida

A astrologia visa o propósito de estimular o autoconhecimento, por meio do seu instrumento mais importante, o mapa astral, que é o retrato do céu no momento de nascimento de um indivíduo, considerando-se que aí estão inscritas as possibilidades, tendências e desafios de um ser humano, nos diferentes setores de vida: emocional, familiar, profissional, espiritual, etc.

O mapa, como o próprio nome ressalta, sinaliza a trajetória na viagem da vida, sem esquecer do livre-arbítrio, faculdade humana por excelência. O que os astros apontam é a conexão existente entre o céu e a terra; e a prática e o estudo da astrologia por aqueles que a amam e respeitam busca enaltecer a ligação do divino e do humano, dentro da premissa de que assim como é o macrocosmo, é o microcosmo.

Pessoas recorrem à astrologia nas mais diferentes situações e idades. E a experiência no trabalho com esta arte nos ensina que há certos momentos na vida com tendência a grandes transformações.

Dentre os ciclos astrológicos definidos pela passagem do tempo, citamos os ciclos de 7 anos, que sinalizam mudanças na personalidade, como aos 7 anos, 14, 21, 28...

Temos também o movimento de saturno, importante sinalizador de definições de vida, sendo que entre os 29 e os 30 anos dá-se uma das principais fases de transição, em que há a reestruturação da personalidade.

Este período denomina-se "retorno de saturno", pois este planeta, após completar uma volta em torno do mapa, retorna ao ponto em que estava no nascimento. É, portanto, o símbolo de um renascimento, e, segundo a astrologia, significa uma espécie de acerto de contas em relação ao passado, para que cada ser possa seguir mais consciente a construção de seu destino, a partir do conhecimento daquilo que ele realmente quer e deve fazer.

Igualmente, por volta dos 30 anos, acentua-se a importância do signo ascendente, que é a constelação que estava no horizonte no momento de nascimento.

Dizemos que a lua simboliza o passado, o signo solar (o que todos conhecem) o presente, e o ascendente sinaliza para onde estamos nos direcionando na esfera pessoal, isto é, que características, tendências e potenciais passamos a assumir com maior intensidade a partir desta idade.

Entre os 40 e os 42 anos verifica-se um novo estágio de profundas transformações, marcado pelo movimento de urano, planeta da inovação, das mudanças, independência, rebeldia; e também de netuno, sinalizador dos sonhos, ilusões e ideais. Dizemos que se trata de uma segunda adolescência, um momento de reavaliações de como está se vivendo a singularidade pessoal, de quanto empenho foi destinado na realização dos sonhos, de quais ideais foram deixados de lado, em nome de valores que se mostram neste momento como superficiais, vazios de um significado mais amplo...

Resumindo: um período de crise, mas pleno de criatividade e de potencial para a redefinição da vida. E é a partir desta potencialidade para a mudança, na busca de dar um novo sentido à existência, que a astrologia orienta as pessoas desta faixa etária. A transformação nesta segunda adolescência não significa simplesmente se rebelar frente às estruturas existentes (embora às vezes seja necessário...), mas encontrar o sentido perdido nos labirintos da vida. Reencontrar os sonhos, o coração. Renascer para os propósitos guiados pela alma, para os ideais que estavam adormecidos por força das escolhas, dos medos, e de tantas desculpas para não ser o que se é...

O tempo é o senhor da razão, e a astrologia, compreendendo os ciclos da vida humana em consonância com os ciclos do universo, percebe a passagem do tempo como a alegoria das contínuas transformações (da semente-nascimento ao fruto-maturidade) visando a realização do ser humano. Há um tempo para semear e há um tempo para colher, esta é a lei da natureza. E o agora é um tempo que jamais se repetirá. Seja qual for sua idade, cronológica ou de espírito.


OS PLANETAS E OS CICLOS

Saturno: planeta símbolo da estruturação, esforço, amadurecimento, limitações, dificuldades. Denominado “o senhor do karma”.

Urano: símbolo das mudanças, inovações, rupturas, independência, extremismos.

Netuno: os sonhos, ideais, espiritualidade, utopias. De que modo vivemos nosso ideais, e em que medida tornamos nossos sonhos realidade.

Plutão: transformações radicais. Metamorfose, morte e renascimento. Traz à tona o que estava escondido no inconsciente.

Isabel Mueller é astróloga, escritora e poeta. Trabalha com Astrologia desde 1992, dá cursos e palestras e atende a consultas de Mapa Astral, Trânsitos, Revolução Solar e Sinastria. É formada em Psicologia, integrante do Nears (Núcleo de Estudos Astrológicos do Rio Grande do Sul), do Conselho Deliberativo da CNA (Central Nacional de Astrologia). Autora dos livros de poesias "Céu da Boca" e "Alumbramento".

Comente