A Lei espiritual da vida

A humanidade vive um momento delicado. É visível a perturbação, a falta de paz e de valores profundos que há no mundo. Quantos pesos carregamos, quantos apegos temos e como isso nos impede a felicidade? Se há algo em nosso caminho é porque precisamos aprender com essa experiência e temos condições de lidar com ela; temos força interior e consciência para compreender o que quer nos dizer e para realizar as transformações que a alma pede para a nossa evolução.

A vida material é uma benção, a prosperidade é uma conseqüência natural dos nossos talentos, gratidão e generosidade e um merecimento que podemos e devemos desfrutar. O problema está na coação e manipulação que vem associada ao dinheiro, à matéria. Temer a falta, a escassez, o “não ter” é não confiar no próprio talento e na abundância que há no espírito e na matéria.

Quantas coisas na vida fazemos (ou deixamos de fazer) por “medo”? Não há energia mais destrutiva do que o medo, junto com a culpa, porque nos impede de acreditar em nós mesmos e de desfrutar de novos caminhos, mais afinados com a nossa alma.

O coração é sopro de Deus. É a forma que Deus colocou no ser humano para que fizesse as escolhas certas, baseadas no coração. Mas, o ser humano muitas vezes escolhe o cérebro, a frieza de justificativas racionais. Escolhe pelo medo do futuro, da solidão, medo do medo... E então está plantando e escolhendo a infelicidade. A ação leva à reação. Esta é a lei espiritual da vida.

Aprenderemos as ações corretas, quando percebermos que o coração sabe todas as respostas e que nos cabe agir segundo o que sentimos no coração e na alma. As crianças sabem isso, mas os adultos esquecem e criam assim a sua infelicidade.

O amor é uma escolha de felicidade. Mas chamamos de amor a tantos sentimentos que não merecem essa denominação, porque vão contra o caráter sagrado do coração. Amor nada tem a ver com manipulação, carência, possessividade, jogo de poder. Amar é auxiliar a pessoa que amamos a atravessar o seu deserto para chegar ao oásis. O amor cura feridas que sequer supomos ter. A humanidade está perdida, vazia, porque falta amor.

Que escolha faremos? Escolha do amor. Verdadeiro, profundo, transformador, curativo. O poder de escolher é o poder de amar. Amar a si mesmo para poder amar plenamente ao outro. Amar-se é compreender que somos a pessoa mais importante para nós. Que se não nos honrarmos e amarmos, como poderemos amar alguém?

Por isso, para escolher o amor, escolha em primeiro lugar ser você mesmo.

Então atrairá alguém que ama de verdade porque essa pessoa, assim como você, tem a coragem de viver a sua essência. E quer compartilhá-la por meio do amor.

Isabel Mueller é astróloga, escritora e poeta. Trabalha com Astrologia desde 1992, dá cursos e palestras e atende a consultas de Mapa Astral, Trânsitos, Revolução Solar e Sinastria. É formada em Psicologia, integrante do Nears (Núcleo de Estudos Astrológicos do Rio Grande do Sul), do Conselho Deliberativo da CNA (Central Nacional de Astrologia). Autora dos livros de poesias "Céu da Boca" e "Alumbramento". contato@isabelmueller.com.br / www.isabelmueller.com.br

Comente

Top Posts