Riscos provocados pela cólica menstrual

colicamenstrual

Shutterstock

A cólica já faz parte do ciclo menstrual da mulher. Algumas sentem apenas uma dorzinha chata que incomoda bastante e outras sofrem com uma dor muito forte que acaba interferindo no dia a dia da mulher.

Nos primeiros dois ou três anos após a primeira menstruação não é tão comum ter cólica. A partir do momento o ciclo se torna regular, cólicas passam a ser moderadas e intensas podendo afetar algumas jovens. Após a primeira gravidez, há chances de a intensidade da dor diminuir por causa de alterações na musculatura do útero.

De acordo com a ginecologista Erica Mantelli, a mulher precisa dar uma atenção especial à cólica quando ela for muito forte. "Em alguns casos a mulher pode ter uma sensibilidade à dor ou pode ser um sinal de doenças como endometriose, mioma e pólipos no útero", explica.

Apesar de estudos mostrarem que a cólica menstrual (dismenorréia) atinge 65% das brasileiras, a mulher não precisa se acostumar com essa dor.

Normalmente a cólica menstrual é desagradável, incômoda, mas a boa notícia é que ela melhora com medidas caseiras e medicamentos comuns. "A cólica é ocasionada pelo aumento da prostaglandina responsável pela contração da musculatura do útero. Essa substância contrai o útero justamente para eliminar o endométrio, em forma de sangramento, quando o óvulo não foi fecundado. O endométrio é a camada interna do útero que cresce para nutrir o embrião", ressalta a ginecologista.

Se você sente dores fortes durante a menstruação, informe seu ginecologista para que ele possa investigar se há algo mais sério por trás do desconforto. "Caso a dor abdominal continuar durante as relações sexuais e ainda provocar alterações intestinais, pode ser grande motivo de preocupação", alerta Erica.

A mulher que reclama de dor a ponto de não querer levantar da cama por causa da cólica, é importante que ela procure o ginecologista para um diagnóstico precoce.

Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: cuidados cólica menstruação