Remedio para verruga: cuidado!

Os perigos dos remédios para verrugas

A saliência que aparece em várias partes do corpo, e não apenas no nariz da ‘bruxinha’, é algo que incomoda muita gente na infância. Em muitos casos, ela mesma desaparece com o passar dos anos, ao longo do desenvolvimento, mas não pense que foi por conta de simpatias ou loções com própolis e calêndula, o organismo é que ganhou mais imunidade.

Quando essa lesão redondinha ou oval, às vezes da mesma cor da pele, insiste em permanecer nunca recorra aos métodos caseiros. Em muitos deles, o uso de alguns componentes só dificultam o diagnóstico, isso quando o paciente resolve buscar ajuda médica.

Também não compre remédios para verrugas sem orientação. Um deles, bastante perigoso, já é vendido livremente nas farmácias e utiliza os princípios da criocirugia, ou seja, tratamento a frio a base de nitrogênio que causa morte das células ao redor da verruga e impede o crescimento do vírus causador.

Segundo a dermatologista Elisabete Dobao, médica dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética, esse tipo de tratamento só deve ser usado por médicos, com um aparelho apropriado que forneça a temperatura de crio adequada. A avaliação do profissional é indispensável, pois o remédio tem contra-indicações. Usuários de anticoagulantes, por exemplo, não devem se submeter a esse procedimento, sob o risco de formação de bolhas de sangue.

"Já vi casos de pessoas aplicando ácidos em pintas ou lesões salientes da pele que não são verrugas! Há um risco de machucar a lesão, queimar a pele e ainda não resolver o problema", alerta a dermatologista Carla Albuquerque, também membro da sociedade.

A aplicação feita por conta própria também torna mais difícil o tratamento correto que deverá ser feito posteriormente. "Além disso, as lesões podem aumentar ou expandir-se, caso a aplicação seja feita no tempo errado". Às vezes, segundo a especialista, elas chegam a lugares onde não é possível a remoção sem lesionar o local.

"Entre as consequências do uso incorreto podemos citar as queimaduras na pele, bolhas, manchas, infecções secundárias e indicação incorreta do tratamento, afinal, o que pode ser uma "verruga" para o leigo, para o dermatologista pode ser uma pinta, um acrocórdon, até um câncer de pele. Isto é, esse tipo de 'auto-medicação' pode inclusive atrasar e atrapalhar o diagnóstico e tratamento correto de uma dermatose potencialmente perigosa, como o câncer da pele, por exemplo", adverte Carla Albuquerque.

Para entender melhor, Dobao explica que as verrugas são lesões da pele e/ou mucosas produzidas pelo vírus do papiloma humano (HPV), formado por dezenas de tipos. "Há alguma relação entre estes tipos virais e a localização, forma e evolução das lesões. Existem outras doenças que apresentam lesões com aspecto verrucoso (de verruga), que muitas vezes podem ser confundidas pelo paciente com a verruga comum", aponta.

Mais freqüentes em crianças, as verrugas são tratadas de várias formas, com laser, cirurgia ou através de fórmulas à base de ácido salicílico, aplicados no consultório ou em casa. É o caso das verrugas vulgares, que surgem principalmente no dorso das mãos, dedos, pés e joelhos, ainda nas pernas, cotovelos e couro cabeludo.

Conforme Dobao, as verrugas que surgem na planta do pé (olhos de peixe), sobretudo nas áreas de pressão, geralmente são dolorosas e frequentemente identificadas como calosidades. "Nestas o tratamento é mais difícil. Tendo que ser usada, muitas vezes, a associação de procedimentos. É necessário escolher o tipo de calçado que ajude no tratamento e não espalhe as verrugas", alerta.

Na lista há ainda aquelas que ficam ao redor das unhas, as peri-ungueais, e ainda as genitais, que segundo a dermatologista merecem atenção pois podem apresentar alguma transformação maligna. "É preciso cuidado no tratamento para evitar cicatrizes, atrofias, do contrário elas ficam muito dolorosas nas relações sexuais ou mesmo com aspecto estranho". Entre os tratamentos há ainda a própria crioterapia e eletroterapia.


"O diagnóstico preciso e a indicação correta de tratamento é que levarão ao melhor resultado, com nenhuma lesão cicatricial ou se esta for inevitável, que se torne mínima", conclui a dermatologista.

Por Juliana Lopes

Comente

Assuntos relacionados: pele saúde crioterapia