Perigos da automedicação

Perigos da automedicação

Um medicamento mal administrado pode trazer conseqüências muitas vezes inimagináveis. Um inofensivo comprimido para febre pode ser uma substância perigosa, quando ingerido com outro, em dosagem errada ou por uma pessoa alérgica. Fique de olho!

Diclofenaco - Presente em antiinflamatórios, a substância pode causar úlcera a diarreias crônicas e reações em quem é alérgico. Em interação com diuréticos, pode anular seu efeito.

Dipirona - Presente em antitérmicos e analgésicos, a dipirona pode diminuir o efeito de alguns remédios para pressão alta e potencializar a ação de anticoagulantes, de certas drogas psiquiátricas, como lítio, e de alguns remédios para câncer.

Escopolamina - Presente em remédios para aliviar cólicas menstruais, pode causar taquicardia e retenção urinária.

Fluoxetina - Presente em antidepressivos, a substância pode diminuir a libido e provocar ideias suicidas e excitação exagerada (mania). Em interação com alguns antiinflamatórios e analgésicos, pode causar sangramento estomacal ou intestinal.

Isometepteno - Presente em analgésicos, pode piorar a pressão alta. Com antipsicóticos como a clorpromazina, a substância provoca queda da temperatura do corpo (hipotermia).

Paracetamol - Presente em analgésicos e antitérmicos, pode causar danos ao fígado em dosagens superiores a quatro miligramas por dia.


Rivotril - Presente em ansiolíticos e antidepressivos, pode causar vertigens, tremores, perda de equilíbrio, dificuldade de movimento e dependência, ou seja, vicia. Bebidas alcoólicas aumentam seu efeito com reações imprevisíveis.

Por Jessica Moraes

Comente