Paciente supera o câncer de mama com ajuda dos exercícios físicos

Câncer de mama

Foto Thabata Pieroni

Se ser feliz é uma questão de escolha, para Silvania Gonçalves, profissional de educação física e ex-personal trainer, foi a opção para amenizar a dor física e emocional da descoberta de um câncer de mama em estágio IV.

Para ser ter uma noção da gravidade da doença, a Sociedade Brasileira de Mastologia classifica essa fase quando a doença invade outras partes do corpo como ossos, pulmões, fígado, entre outros.

A partir do diagnóstico positivo, em outubro de 2012, foram quase três meses de reclusão total até Sil - como prefere ser chamada - resolver encarar o problema de frente e com muito mais vontade de viver. "Parei de me preocupar com pequenas coisas, passei a dar mais valor à minha família e amigos, pensar mais no próximo e, principalmente, descobrir minha fé em Deus", lembra Sil.

Apaixonada por atividades físicas, o retorno à academia foi uma das primeiras atitudes dela, em Fevereiro de 2013. Ainda que com algumas limitações, a prática aliviou dores físicas já impostas pela doença e elevou inclusive a autoestima da jovem, de 35 anos.

Tanto que ela decidiu organizar uma espécie de minievento com direito a comida japonesa e champanhe, em um salão de beleza, para raspar completamente os cabelos longos e castanhos, antes de acontecer a chamada alopecia, queda de cabelo em razão da quimioterapia.

Malhação depois do tratamento

Catarinense e mãe de três filhos, Sil também criou no Facebook a página ‘Onco e Fitness’, que significa exercícios físicos para pacientes oncológicos. A ideia é incentivar e motivar outras mulheres a manterem uma vida mais saudável com práticas regulares de atividade física.

Em menos de um ano, a rede social teve um alcance superior a 13 mil curtidores, que seguem as recomendações da educadora, compartilham suas histórias e trocam informações.


"O objetivo é incentivar essas mulheres a não desistirem, mostrar que a vida continua após o câncer, que não devemos parar de fazer aquilo que gostamos e nos faz bem. Mostrar a importância de se manter ativa, praticar exercícios regulares e de que forma isso iria ajuda-las a superar a doença e os efeitos do tratamento. Ter câncer não é fácil, mas é escolha nossa seguir em frente", aconselha Sil.

Por Natália Farah

Comente

Assuntos relacionados: atividade física câncer câncer de mama