Mulheres têm mais dificuldades de largar o cigarro

Mulheres têm mais dificuldades de largar o cigarro

Aumento de peso e a falta do efeito antidepressivo são as duas principais dificuldades para que mulheres parem de fumar. Enquanto ele consegue parar de fumar com gomas de mascar ou, muitas vezes, até sozinho, a mulher sente mais necessidade do uso de medicamentos durante o processo. Segundo o cardiologista e diretor médico da Cooperativa Moema de Saúde, Edmar Santos, a mulher também é esteticamente mais cobrada e biologicamente mais dependente. “Socialmente, a mulher é mais cobrada e encontra no cigarro uma fuga. Biologicamente, ela possui mais receptores para a nicotina, o que causa no organismo uma maior dependência química”, explica.

As conseqüências do cigarro na mulher também são mais devastadoras. O cigarro antecipa a menopausa, aumenta as chances de derrame, infarto, aneurisma de aorta e, durante a gravidez, de abortos e nascimento de bebês prematuros.

“Uma mulher que fuma tem de duas a quatro vezes mais chances de sofrer um infarto que uma não-fumante. Quando há o uso concomitante de anticoncepcionais, este número pula para 10. E com relação a derrames, o risco passa a ser simplesmente 20 vezes maior”, afirma Santos.

Já a menopausa é antecipada na relação dose-resposta. “Quanto mais a mulher fuma, mais precocemente vem a menopausa e, com ela, todas as preocupações relacionadas, como, por exemplo, a osteoporose”, diz.

Para lagar o cigarro há vários tratamentos específicos. O primeiro passo é ter motivação e força de vontade. “Esta é a primeira etapa do processo, que pode ser acompanhada, inclusive, de ajuda psicoterápica. Depois pode-se usar chicletes de nicotina ou mesmo medicamentos específicos”, conclui o cardiologista.

Não tenha medo:

Dos sintomas da síndrome de abstinência

O organismo volta a funcionar normalmente sem a presença de substâncias tóxicas e alguns fumantes podem apresentar sintomas de abstinência como vontade intensa de fumar, dor de cabeça, tonteira, irritabilidade, alteração do sono, tosse, indisposição gástrica e outros. Esses sintomas, quando se manifestam, duram de uma a duas semanas.

Da recaída

A recaída não é um fracasso. Comece tudo novamente e procure ficar mais atento ao que fez você voltar a fumar. A maioria dos fumantes que deixaram de fumar fez em média três a quatro tentativas até parar definitivamente.

De engordar

Se a fome aumentar, não se assuste, é normal um ganho de peso de até dois quilos, pois o paladar vai melhorando e o metabolismo se normalizando. De qualquer forma, procure não comer mais do que de costume. Mantenha uma dieta equilibrada com alimentos de baixa caloria, frutas, verduras e legumes. Beba sempre muito líquido! Evite café e bebidas alcoólicas. Eles podem ser um convite ao cigarro.

Comente