Médicos varrem bitucas contra o fumo

Dia Mundial de Combate ao Fumo terá limpeza de bit

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

O cigarro é um mal que mata cerca de 200 mil brasileiros por ano, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Neste dia 31 de maio é comemorado o Dia Mundial de Combate ao Fumo e em todos os quatro cantos do Planeta ocorrem manifestações contra o hábito, ou melhor, a doença, como é considerado o vício agora.

Atualmente, 17,5% da população do Brasil é fumante, o que corresponde a 25 milhões de pessoas, sendo 60% homens e 40% mulheres. Nos últimos dez anos, estima-se que 50 milhões de pessoas morreram como resultado do uso do tabaco. Apenas em 2010, cerca de 6 milhões de pessoas morreram no mundo, de acordo com informações da 4ª edição do Atlas do Tabaco lançado pela Sociedade Americana do Câncer e pela Fundação Mundial do Pulmão.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa evitável de mortes do mundo. Para conscientizar sobre todos os males que o cigarro pode trazer ao organismo, nesta quarta-feira, dia 30, médicos da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), varrem a avenida Paulista, na Capital, recolhendo as bitucas de cigarro nas imediações.

"Queremos conscientizar as pessoas sobre os males que o tabagismo causa, sendo o ato de recolher bitucas uma ação bastante simbólica", declara a presidente da SPPT, dra. Mônica Corso.

Paralelo a varredura, ocorrerá uma série de serviços aos cidadãos, além de distribuição de folhetos informativos. Serão feitos exames como o de Fagerström, questionário que afere o grau de dependência da nicotina e é utilizado mundialmente como ferramenta não invasiva de avaliação; medição dos fluxos expiratorios do paciente (equipamento simplificado de função pulmonar) para avaliar a capacidade respiratória; e dosagem de monóxido de carbono no ar expirado pelo paciente.

"Todos os testes oferecerão diversas informações sobre possíveis alterações da função pulmonar, sobre o grau de dependência à nicotina e sobre a necessidade de tratamento", explica a dra. Mônica.

Além disso, haverá um software para calcular quanto - em dinheiro - cada fumante gasta na compra de cigarros por dia, mês, ano e ao longo da vida. Inclusive, os interessados verão o valor que lucrariam se tivessem, por exemplo, investido a quantia gasta em outros produtos ou ações.

De acordo com estimativas da Fundação Getúlio Vargas, o fumante gasta em média 6% do que ganha para bancar o vício. No mercado brasileiro são consumidos cerca de 100 bilhões de cigarros por ano, sendo 2 bilhões de produtos ilegais, ou seja, sem a devida fiscalização; o restante é do mercado oficial.

As consequências do tabagismo são inúmeras, a começar pelos prejuízos financeiros. Além do valor gasto com o consumo de produtos derivados do tabaco, o indivíduo pode vir a ter despesas com o tratamento de doenças desencadeadas por esses produtos.

O maior prejuízo, no entanto, continua sendo para a saúde. O consumo do cigarro pode desencadear problemas como infarto agudo do miocádio, câncer - pulmão, laringe, bexiga, etc, - doenças do pulmão, DPOC/enfisema, maior incidência de partos prematuros e osteoporose, entre outros.

Doença - O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A estimativa é de que um terço da população mundial adulta seja fumante. Embora os números ainda sejam espantosos, estudo realizado pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) mostra que a prevalência de tabagismo entre a população adulta brasileira caiu nos últimos anos.


Iniciativas como a divulgação de informações sobre os malefícios do tabaco nas embalagens ou a aprovação da lei que garante ambientes livres de cigarro, bem como ações de entidades médicas e ONGs de combate ao tabagismo têm contribuído para o aumento da conscientização da população.

Por Carmem Sanches

Comente

Assuntos relacionados: saúde fumo cigarro morte tabaco