Lei sobre atestados semestrais para academias divide opiniões

Lei sobre atestados semestrais divide opiniões

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

Em vigor desde maio, a Lei n 11.383 sancionada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, obrigando alunos de academias a apresentarem exames médicos a cada seis meses divide opiniões entre os malhadores de plantão. Alguns afirmam que a decisão garante mais segurança aos alunos, outros acreditam que de nada adianta, porque os exames são sempre superficiais.

De acordo com o fisiologista da Unifesp, Turíbio Lei de Barros, a medida pode desestimular a prática esportiva. "Acho a medida um exagero que pode incentivar a busca por atestados comprados ou por consultas burocráticas só para cumprir tabela", argumenta o especialista, que defende os exames anuais. "A não ser em casos específicos, a avaliação anual é suficiente."

As academias terão que manter os atestados médicos anexados às fichas dos alunos. O documento deve autorizar a prática de exercícios específicos, além de expor qualquer restrição física. E o não cumprimento da lei pode levar à multa e fechamento do estabelecimento, segundo a Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa), responsável pela fiscalização da medida.

Para Simone Neves, que pratica é praticante assídua de uma academia, a medida é desnecessária, já que os exames médicos nem sempre são feitos com rigor. "Ao examinarem, os médicos simplesmente medem nossa pressão, pesam, medem a estatura e fazem algumas perguntas rapidamente, e em média de cinco a dez minutos, atestam que você está apta a praticar qualquer atividade física", argumenta.


Adepta do pilates, a consultora Josi Castro acha a medida válida, pois ficar em forma se tornou obsessão e nem sempre se preocupam com a saúde. "Todo mundo quer malhar, pensando na lado estético da coisa, mas, no fundo, não consideram o limite da própria saúde e do corpo. E também a medida serve como para salvaguardar a própria academia, que não poderá ser culpada caso o aluno tenha um problema de saúde ou qualquer outra lesão séria por excesso de esforço físico num exercício de rotina", detalha.

Por Carmem Sanches

Comente