Flora, personagem de “A Favorita” - psicopata?

Flora personagem de “A Favorita”  psicopata

Divulgação TV Globo/ Foto: Zé Paulo Cardeal

Quem acompanha a novela da TV Globo “A Favorita” se pergunta como a personagem Flora (vivida pela atriz Patrícia Pillar), aparentemente tão inofensiva, pode matar e agir como uma psicopata?

Casos do mundo real, como o de Susane Richthoffen e o assassinato dos pais, ou mesmo da menina Isabella, jogada do sexto andar nos fazem refletir se há como identificar esses traços nas pessoas?

De acordo com o Prof. Dr. Luiz Gonzaga Leite, chefe do Departamento de Psicologia do Hospital Santa Paula (SP), há varias teorias sobre a ‘psicopatia’. Enquanto a Psiconeurologia explica o transtorno como uma alteração de estruturas cerebrais, a Comportamental vê no período do desenvolvimento psicoafetivo da criança a raiz desse transtorno, tendo como principal causa uma formação frágil ou inexistente de padrões de conduta ética e moral.

Segundo o psicólogo, vale ressaltar que a maioria dos psicopatas não é violenta e grande parte das pessoas violentas não é psicopata. No caso de Flora, que sempre sentiu a preferência do pai por Donatella (interpretada por Cláudia Raia), e que, depois, foi rejeitada pelo homem que amava novamente porque ele preferiu ficar com a esposa Donatella, os distúrbios de personalidade estão evidentes. Mas, segundo Luiz Gonzaga Leite, essas pessoas podem se beneficiar da psicoterapia como quaisquer outras. “Mesmo que seja muito difícil mudar comportamentos psicopatas, a terapia pode ajudar no controle de seus comportamentos”, diz.

Por Karina Conde

Comente