Estresse no trânsito afeta coração e sistema reprodutivo

estresse transito

Foto - Shutterstock

Estudo do Ministério de Educação e Pesquisa da Alemanha, em parceria com o Hospital Universitário da Universidade de Duisburg-Essen, acaba de apontar que o estresse eleva e intensifica as dores de cabeça. Esta é uma das inúmeras consequências à saúde que ele pode causar ao organismo. Em grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, os longos e demorados congestionamentos só aumentam a sensação de imobilidade e o estresse no trânsito.

"O estresse é o conjunto de fatores ambientais, externos, do dia a dia que acarretam distúrbios fisiológicos e psicológicos como ansiedade, nervosismo, impaciência, irritabilidade e até depressão. Esses fatores podem ser bons ou ruins e não afetam as pessoas da mesma forma, é algo individual. O que é estressante para um pode não ser para outro", explica o coordenador do curso de psicologia do IBMR Sérgio Medeiros.

O psicólogo esclarece, ainda, que além do prejuízo psicológico, o estresse gera efeitos nocivos e até irreversíveis à saúde, como desgaste mental que pode causar inclusive danos fisiológicos e mentais. Entre els está a ansiedade, que ativa o sistema nervoso autônomo simpático, responsável por nos deixar prontos para fuga ou qualquer eventualidade.

"Como resposta orgânica ao estresse, podemos desenvolver doenças que afetam desde coração (hipertensão), estômago (úlcera), intestino (constipação) e pâncreas (diabetes) até pele (dermatite) e sistema reprodutivo (perda de libido como)", observa o professor do IBMR.

Muitas ações rápidas e práticas podem ajudar a evitar ou a minimizar o estresse, como reforça Medeiros. "Ações prazerosas como ler, escutar música e acessar a internet podem ajudar a diminuir o estresse durante o congestionamento. Evitar sair justamente nas horas de pico e, para aproveitar o tempo, se distrair com amigos também são boas opções.

Outra atitude que auxilia é ao chegar em casa, desligar-se totalmente daqueles momentos de estagnação, tomando um banho para relaxar e fazendo somente coisas prazerosas como comer algo que goste.

O psicólogo ainda chama a atenção do progresso de um simples quadro de estresse para um distúrbio patológico, que pode afetar tanto o lado pessoal quanto o profissional. "Caso a pessoa comece a perder o prazer em tarefas que antes a distraíam, como rever a família após um dia de trabalho, ela deve enxergar esse cenário com atenção. Esse quadro pode ser o início de um pequeno distúrbio paranoide em relação ao trânsito e o ponto inicial para buscar ajuda profissional", alerta o psicólogo do IBMR.


Por Vila Mulher

Comente