Dicas para escolher o seu método contraceptivo

Contracepção  o jeito certo de se prevenir

Desde que foi criada, há décadas, a pílula anticoncepcional revolucionou a vida das mulheres. Sua chegada veio acompanhada da independência e liberdade para escolher quando ser mãe. Além dela, a ciência tornou possível diversos métodos contraceptivos: hormônios injetáveis, implantes, DIU, adesivos tópicos, esterilização cirúrgica (laqueadura), mas a pílula continua entre os métodos mais utilizados pelas mulheres.

Tamanha variedade de opções faz com que a mulher precise de ajuda para identificar qual a melhor forma de contracepção. Neste caso, a consulta ao especialista é fundamental, pois o médico vai analisar como é a rotina da mulher, saber do seu histórico de saúde e avaliar qual o método mais indicado.

Dr. Fernando Prado Ferreira, ginecologista e especialista em reprodução humana da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), alerta. "A escolha do tipo de contracepção é feita levando-se em conta fatores importantes como a idade, a presença de alguma doença pré-existente e até o ritmo de vida da paciente", explica.

O especialista comenta que há mulheres, principalmente as adolescentes, que usam pílula sem prescrição, o que não é correto. "Algumas garotas, por vergonha ou medo de consultar um ginecologista, decidem usar o mesmo anticoncepcional indicado pelo médico de uma amiga".

Com o passar dos anos há mudanças físicas e circunstanciais na vida da mulher. Nestes momentos é importante perceber tais alterações para, sempre que necessário, substituir o método de contracepção utilizado. "O ideal é que esta avaliação aconteça uma vez ao ano, junto dos exames de rotina", recomenda.

Atualmente, esta classe de medicamentos está menos agressiva ao organismo da mulher, com redução nas dosagens hormonais e pouco - ou nenhum - efeito colateral. Estão disponíveis no mercado diversas opções de pílula anticoncepcional.

Seja qual for a opção adotada, o importante é usar corretamente o contraceptivo. Desta forma é possível evitar uma gravidez indesejada. E as estatísticas comprovam o quanto ainda hoje o planejamento familiar necessita de atenção.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), metade das gestantes não planejou e não quer a gestação, sendo que uma a cada nove mulheres opta pelo aborto.

No Brasil, as estatísticas apontam que o índice de abortamento é de 31%. Isto significa cerca de 1,44 milhão de abortos espontâneos ou provocados com taxa de 3,7 para cada 100 mulheres.

A tabela abaixo mostra os principais métodos contraceptivos existentes:

De Barreira

Preservativo Masculino e Feminino (camisinha) - impede a ascensão dos espermatozóides ao útero

Diafragma - anel flexível que impede a entrada dos espermatozóides no útero

Esponjas e Espermicidas - substâncias químicas cuja função é imobilizar e destruir os espermatozóides

Dispositivo Intra-Uterino (DIU) - são inseridos na cavidade uterina para impedir a passagem do espermatozóide

Hormonais

Pílula Monofásica - impede a ovulação pela ingestão associada dos hormônios estrogênio e progesterona. As pílulas monofásicas têm a mesma dosagem em todos os comprimidos da cartela

Pílula Multifásica - impede a ovulação. Difere da monofásica porque as dosagens de estrogênio e progesterona variam

Minipílulas - impede a ovulação com dosagem mais baixa e contém apenas um hormônio (Progesterona). Geralmente utilizadas por mulheres no período de amamentação

Pílula do dia seguinte - anticoncepção de emergência, pela ingestão de uma alta dosagem de progesterona, impedindo assim a fertilização. Uso restrito a situações de emergência

Injetáveis - contém progesterona e/ou estrogênio. Aplicação intramuscular, com injeções mensais ou trimestrais

Implante Hormonal - microbastão de hormônio sintético, similar à progesterona, implantado no antebraço para impedir a ovulação. Tem duração de três anos

Anel Vaginal - anel hormonal flexível, colocado na vagina no 1º dia da menstruação. Impede a ovulação e tem duração de três semanas


Adesivo Cutâneo - colado na pele, libera o hormônio gradativamente, impedindo a ovulação. Duração de uma semana, devendo ser trocado a seguir.

Cirúrgicos

Laqueadura tubária - método contraceptivo cirúrgico e definitivo, que na mulher consiste na ligadura ou corte das trompas

Por Jessica Moraes

Comente