Dia Mundial sem Tabaco

Dia Mundial sem Tabaco

Dia 31 de maio é o ‘Dia Mundial sem Tabaco’ e nesse dia é importante lembrar de todos os males que esse vicio pode causar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) associa o cigarro a 90% dos casos de câncer de pulmão, sendo que a sua letalidade é altíssima. Mata 85% dos pacientes e apenas 15% dos casos podem ser diagnosticados precocemente.

Outro aspecto de extrema importância é que o cigarro prejudica, e muito, a quem não fuma. Os fumantes passivos também estão propícios a terem câncer de pulmão. Os dados mostram que 25% a 46% das mulheres e 13 a 37% dos homens que morrem de câncer de pulmão não fumam, mas adquiriram a doença com a convivência com fumantes.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), mais de 300 pessoas morrem por dia no Brasil em consequência do hábito de fumar. A irritação ocular é imediata em 80% dos casos, acompanhada de dor na garganta, dor de cabeça e tosse. Em longo prazo, o indivíduo pode apresentar também expectoração, chiado e dispnéia, além de maior incidência e gravidade de asma na infância e, em menor extensão, no adulto.

De acordo com o médico oncologista da Oncomed, Alexandre Chiari, além do câncer de pulmão, outras doenças são causadas pelo cigarro, como os cânceres de colo uterino, de laringe, de boca, de pâncreas, bexiga, esôfago, estômago e rim. "O tabaco também pode ser associado ao infarto e às doenças vasculares, como o derrame cerebral", avalia. As pesquisas demonstram também que o fumo é a causa principal de bronquites crônicas e enfisemas pulmonares. Como se não bastasse, em mulheres grávidas, o cigarro causa partos prematuros e o nascimento de crianças com baixo peso.

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é outra associada à resposta do pulmão à inalação de partículas e/ou gases tóxicos. Caracteriza-se pela combinação de bronquite crônica e do enfisema pulmonar, com predominância de um ou de outro. Cerca de 85% dos portadores de DPOC são fumantes os demais estão expostos a fatores ambientais como poeira, fumaça, irritantes químicos, infecções respiratórias graves na infância, entre outros. Estima-se que a DPOC causa aproximadamente 3 milhões de óbitos anuais, número 15 vezes maior que as mortes por asma. Parar de fumar é a intervenção mais efetiva para reduzir o risco de desenvolver a DPOC e também para melhorar sua progressão.

Durante o consumo do cigarro, a pessoa introduz no organismo mais de 4.700 substâncias tóxicas, incluindo nicotina (responsável pela dependência química), monóxido de carbono (o mesmo gás venenoso que sai do escapamento de automóveis) e alcatrão, que é constituído por aproximadamente 48 substâncias pré-cancerígenas, como agrotóxicos e substâncias radioativas (que causam câncer).

Como combater o tabagismo

"A educação continuada é fundamental para esclarecimento da população quanto aos riscos dos tabagismos ativo e passivo, porém não basta para controlar a doença. É necessária uma lei mais restritiva quanto ao ambiente 100% livre do fumo. Nesta situação, o binômio educação-legislação é imbatível, uma vez que defende uma questão de saúde publica, principalmente quando se tem dados como os da OMS, que atestam que o tabagismo passivo é a terceira causa de morte evitável no mundo", defende Maria Penha Uchoa Sales, presidente da Sociedade Cearense de Pneumologia e Tisiologia (SCPT) e membro da Comissão de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

Para a pneumologista, ações como as propagandas que sensibilizem o fumante, mostrando que ele é bem-vindo em qualquer ambiente fechado, mas respeitando o direito do não-fumante em não querer se expor ao cigarro, são de grande valia. Além disso, mostram, especialmente aos jovens, o quanto eles são presas da indústria do tabaco e que a escolha deve ser pelo prazer aliado à qualidade de vida, como a prática esportiva, por exemplo.

Entre as ações de combate ao fumo impulsionadas pelo ‘Dia Mundial sem Tabaco’ está a realização hoje pelo Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP), das 8h30 às 15h, de uma campanha. O evento contará com medição de monóxido de carbono no ar exalado pelo indivíduo: indicador importante do grau de poluição do organismo pelo cigarro.


A motivação do fumante para deixar o tabaco será trabalhada por meio de questionário aplicado aos participantes e de folhetos explicativos. Na boneca Altina, que estará em exposição no evento, os fumantes poderão ver o impacto do cigarro sobre o pulmão. Para as mulheres, tema central da campanha da OMS deste ano, o Incor tem uma proposta especial: "Um dia sem fumar". As 100 primeiras aderirem à proposta receberão suporte terapêutico (chiclete ou adesivo de nicotina) suficiente para ficar longe do cigarro por 24 horas.

Comente