Dia Mundial do Doador de Sangue - colabore também!

Dois entre dez doadores são voluntários sem laços

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

Cirurgias de alta complexidade, que demandam ampla reposição de sangue, e tratamentos de radio ou quimioterapia, que podem afetar a produção do líquido, são situações comuns no cotidiano de um hospital e exigem que os Bancos de Sangue sejam constantemente abastecidos para suprir as necessidades dos pacientes.

Nesta quinta-feira, dia 14, comemora-se o Dia Mundial do Doador de Sangue.. Para destacar a importância da doação voluntária, o Hospital A. C. Camargo destaca que de cada dez doadores, somente dois não possuem parentesco ou laços afetivos com pacientes que estão internados na unidade.

Assim como a maioria das unidades hospitalares do Brasil, o Banco de Sangue do A.C.Camargo opera com apenas dois terços de sua capacidade total de armazenamento e há falta mais acentuada de alguns tipos sanguíneos, principalmente os de fator RH negativo. Levantamento feito pela instituição identificou que o principal fator para o baixo volume de doação está na pequena procura pelos chamados voluntários, pessoas que se candidatam à doação sem ter qualquer vínculo afetivo com algum paciente.

"Recebemos uma média de 60 a 70 doadores por dia e, infelizmente, apenas 20% deles são voluntários. Os outros 80% são fruto de ação interna que fazemos junto aos familiares e amigos com a proposta de sensibilizá-los para a doação", destaca a hemoterapeuta/hematologista do A.C.Camargo, Rivânia Almeida de Andrade.

Ainda segundo Rivânia, é válido ressaltar que a busca espontânea pelo Banco de Sangue torna-se ainda mais primordial nesta época do ano, pois a sazonalidade é, historicamente, um fator que limita o interesse por fazer a doação. "Não podemos repetir o fato de haver queda do número de doadores durante as férias escolares de julho e chegada do inverno. A solidariedade precisa aquecer a boa vontade de todos", destaca.

Dados do Ministério da Saúde indicam que apenas 1,9% dos brasileiros doa sangue regularmente. O papel dos doadores na vida daqueles que dependem de transfusão é fundamental. A doação de sangue é um ato voluntário e os doadores são essenciais para a produção de hemocomponentes.

Embora nem todos os doadores saibam, o sangue dos bancos dos hospitais colaboram, de forma determinante, no tratamento e atendimento dos pacientes com câncer (quimioterápico, cirurgia oncológica, leucemias, linfomas), já que o principal componente encontrado no sangue, o Concentrado de Plaquetas, pode salvar vidas.

O doador também é beneficiado, pois ao fazer a doação, tem seu sangue criteriosamente avaliado por uma equipe especializada. Em até 30 dias, recebe informações relevantes como a tipagem sanguínea e resultados dos testes de Hepatites B e C, HIV, HTLVI/II, doença de chagas, sífilis, dentre outras. Caso apresente algum resultado positivo, pode iniciar imediatamente o tratamento contra a doença em questão em boa parte dos hospitais brasileiros.

Informações importantes que todo doador deve saber:

- A doação de sangue é segura e demora cerca de 30 minutos;

- Todo material utilizado na coleta do sangue é descartável, garantindo a segurança do doador;

- O volume de sangue total a ser coletado não pode exceder 8 ml/kg de peso para as mulheres e 9 ml/kg de peso para os homens. O volume admitido por doação é de 450 ml +/- 50ml, aos quais podem ser acrescidos até 30 ml para a realização dos exames laboratoriais exigidos pelas leis e normas técnicas;

- Doar sangue não altera a pressão arterial, não engrossa, nem modifica o sangue;

- O doador não tem qualquer obrigação de doar sangue novamente. Só faz isso se quiser, com intervalo de 60 dias para os homens e 90 dias para as mulheres;

- É necessário apresentar um documento de identificação com foto, emitido por órgão oficial, ou sua cópia autenticada.


Saiba o que é necessário para doar sangue:

- Ter entre 18 e 65 anos e mais de 55 quilos;

- Estar em boas condições de saúde e alimentado, mas não pode ter ingerido comida gordurosa nas últimas quatro horas;

- Não ter ingerido bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;

- Não ter tido gripe ou febre nos últimos sete dias;

- Não estar grávida ou ter tido parto ou aborto há menos de três meses;

- Não estar no período de amamentação;

- Não ter nenhuma doença crônica do tipo cardiopatia, diabetes, tuberculose, doença renal, epilepsia ou hepatite;

- Não ter antecedente ou apresentar fator de risco para doenças infecciosas transmissíveis por transfusão - sífilis, doença de Chagas, Aids, Hepatites B e C, malária, HTLV I/II.

Por Carmem Sanches

Comente