Conheça os tipos de diabetes

diabetes e o nao aos doces

As pesquisas não revelam boas notícias quando o assunto é diabetes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que até 2030 o diabetes atinja 366 milhões de pessoas no mundo. Por enquanto ainda não existe previsão de cura para esse mal, mas o diabético pode viver normalmente com o controle adequado da doença.

Considera-se normal o indivíduo com glicemia (nível de glicose no sangue) menor ou igual a 100 miligramas (mg) de açúcar por decilitro (dl) de sangue, a qualquer hora do dia. A doença é identificada exatamente quando um exame de sangue revela que os níveis de glicemia estão alterados.

O diabetes tipo 1, também conhecido como diabetes insulino-dependente, é normalmente diagnosticado em crianças ou pacientes jovens, cujo pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina. No diabetes tipo 1 existe a dependência absoluta de insulina para o controle da glicose, pois existe uma destruição das células do pâncreas.

O diabetes do tipo 2 responde por 90% dos casos da doença e acomete adultos, porém vem aumentando entre os jovens. No diabetes tipo 2, a deficiência de insulina é apenas relativa. O paciente produz a substância de forma insuficiente ou a produz normalmente, mas o organismo tem dificuldades para responder a ela. Essa condição é conhecida como resistência à insulina, e costuma estar associada à obesidade e hereditariedade.

Basicamente, o tratamento do diabetes consiste em evitar a elevação da glicemia no sangue. A insulina é uma substância que ajuda o organismo a usar a glicose para produção de energia. É produzida pelo pâncreas para controlar os níveis de açúcar no sangue. Além de tratamento medicamentoso, é preciso que o diabético adquira novos hábitos alimentares, adotando uma alimentação balanceada e saudável.

Por Flávia Leão Fernandes

Psicóloga - CRP 06/68043

Comente