Conheça os fatores de risco para osteoporose

Conheça os fatores de risco para osteoporose

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

Muitas pessoas pensam que a osteoporose é uma doença que só atinge os idosos, mas na verdade é o produto final de um processo longo e gradual que afeta adultos a partir do final da adolescência e pode se agravar de acordo com os hábitos de cada pessoa. Conheça alguns fatores de risco para a osteoporose e procure um especialista caso se encaixe em algum deles.

"É preciso saber que atingimos o nosso pico de massa óssea entre os 20 e 25 anos. Depois, em algum momento entre os 30 e 40 anos - dependendo da dieta, dos exercícios e de outros fatores que mantêm os ossos fortes - começamos a perder massa óssea", explica o diretor do Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares (Iredo), reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti.

Mulheres

O público feminino apresenta risco maior para desenvolver osteoporose. Segundo a National Osteoporosis Foundation, 80% dos 10 milhões de americanos com osteoporose são mulheres. No Brasil, nas mulheres com mais de 45, o número de dias passados em hospitais por causa da fratura por osteoporose é superior ao induzido por doenças como diabetes e infarto do miocárdio.

"As mulheres precisam ser vigilantes durante toda a vida: seu período menstrual é irregular ou pouco frequente? Períodos menstruais irregulares são geralmente causados por baixos níveis do hormônio estrogênio, o que contribui diretamente para a perda óssea. Há muitas razões para as mulheres apresentarem baixas em seus níveis de estrogênio: excesso de exercícios, transtornos alimentares e a Síndrome dos Ovários Policísticos são algumas das mais comuns. É preciso estar atenta a tudo isto", alerta o Lanzotti.

Distúrbio alimentar

A anorexia é uma das maiores bandeiras vermelhas para a osteoporose, porque quando o peso do corpo da mulher cai muito, seus níveis hormonais também sofrem redução, provocando a suspensão da menstruação, diminuindo os níveis de estrogênio, hormônio que interfere na construção óssea.

Parentes com osteoporose

Você tem um parente que desenvolveu a doença antes dos 50 anos ou da menopausa? A história familiar é um importante fator de risco para a saúde óssea. "Se você vem de uma família onde os adultos e os idosos têm histórias de fraturas, má postura, perda de altura ou problemas similares, informe isto ao seu médico", alerta o reumatologista.

Fumantes

O tabagismo tem uma alta correlação com a osteoporose. Embora os especialistas ainda não tenham explicado exatamente como este processo se dá, fumar é um dos piores fatores de estilo de vida para a osteoporose.

Bebida alcoólica

O álcool é um "enfraquecedor dos ossos": ele rouba cálcio, magnésio e outros minerais. Quanto mais você bebe, mais provavelmente este processo esteja acontecendo. "As mulheres são mais vulneráveis a este tipo de perda óssea do que os homens, talvez porque elas sejam mais vulneráveis aos efeitos do álcool, de uma maneira geral", salienta o dr Lanzotti.

Fraturas constantes

Uma das maneiras mais comuns das pessoas descobrirem que têm osteoporose é quando uma queda comum leva a uma lesão que é mais grave do que o que era esperado. "Seus ossos devem ser fortes o suficiente para aguentar algum tipo de impacto. Qualquer adulto que teve mais de uma fratura ou uma fratura que pareça surpreendentemente grave, em relação à sua causa, deve fazer uma densitometria óssea".

Remédios

Tomar medicamentos à base de cortisona durante um longo período de tempo interfere com os seus níveis hormonais, deixando seus ossos propensos à perda óssea. Este é particularmente o caso das mulheres, que são mais propensas a ter doenças autoimunes. É preciso ficar atento também ao grupo de antidepressivos chamados SSRIs, que têm sido associados a uma maior incidência de osteoporose. Tomar hormônio tireoidiano também pode causar perda óssea.

Doenças autoimunes

Os especialistas sabem que as pessoas que têm doenças autoimunes têm osteoporose em uma taxa muito superior à média. Isto se dá, principalmente, ao uso dos medicamentos empregados para tratar a doença autoimune: os corticosteróides.

Idade

A doença é muito comum em homens acima de 50 anos e em mulheres que entraram na menopausa. Na verdade, um homem acima de 50 anos é mais propenso a quebrar um osso devido à osteoporose do que ter câncer de próstata. No entanto, por causa das mudanças na dieta e no estilo de vida, a osteoporose e sua precursora, a osteopenia, são cada vez mais comuns entre as pessoas de 30 e 40 anos.


De olho na alimentação

As escolhas alimentares que fazemos, como, por exemplo, tomar um copo de leite ou uma lata de refrigerante no café da manhã, pode ter um efeito muito maior sobre a saúde óssea do que a maioria das pessoas imagina. "Não é apenas o cálcio do leite que é essencial ao organismo. A vitamina D também é fundamental para a saúde óssea. E o leite, enriquecido com vitamina D, é uma das poucas fontes dietéticas deste importante nutriente", observa o reumatologista.

Por Carmem Sanches

Comente