Como melhorar a saúde da mulher?

Como melhorar a saúde da mulher

Hoje é Dia Internacional da Mulher e, além da celebração de nossas conquistas, não dá para deixar de lado cuidados preventivos com a saúde para evitar doenças relacionadas ao estilo de vida, afinal esse ritmo frenético para conseguir dar conta dos filhos, obrigações no trabalho e em casa pode trazer problemas de saúde dos mais diversos.

Para a ginecologista Emanuelli Alvarenga Silva, do Hospital Beneficência Portuguesa de Santo André, um hábito que deve ser mantido é visitar regularmente o ginecologista e o cardiologista, já que a rotina acelerada associada ao tabagismo, estresse, obesidade, má alimentação, poucas horas de sono e sedentarismo exige cuidados redobrados.

Atualmente a maior causa de óbitos entre as mulheres são as doenças do coração, seguida do câncer de mama. Estas e outras doenças podem ser detectadas e tratadas de forma eficaz a partir da prevenção, principalmente pelo fato de muitas doenças surgirem de forma silenciosa como a hipertensão, diabetes, depressão e alguns tipos de câncer.

Claro que a gente sabe que fica até difícil lembrar de cuidar da nossa saúde no meio de tantas obrigações, por isso, para que não haja esquecimento diante de tantos afazeres, a ginecologista dá uma dica bacana. A idéia é criar uma agenda com os principais exames periódicos como Papanicolaou, colposcopia, exame pélvico, mamografia, ultrassonografia e HIV. Também é importante consultar periodicamente um Clínico geral ou Cardiologista para outros exames como glicemia, hepatite, hemograma completo, colesterol, triglicérides, ácido úrico e exames complementares que o médico julgue necessários.

Daniel Magnoni, cardiologista e nutrólogo do Hospital do Coração, concorda com a opinião da ginecologista. "Entre as jornadas de trabalho e afazeres domésticos, é importante que as mulheres organizem-se para cuidarem de si. A maioria não costuma fazer exames preventivos de problemas cardiovasculares e não conseguem parar de fumar, manter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos, controlar o colesterol entre outras atitudes importantes" Além disso, o médico explica que o diabetes continua sendo um grande vilão para o coração feminino. A taxa de mortalidade de uma diabética que teve infarto é 20 vezes maior do que de uma mulher sem o problema.

Segundo a ginecologista, os exames ajudam a garantir boa saúde, mas alguns cuidados no dia a dia devem ser tomados para evitar doenças, especialmente ginecológicas. "O uso do preservativo é extremamente importante já que previne desde o câncer de colo uterino a outras infecções. Outros cuidados também são importantes como não utilizar anticoncepcionais sem o conhecimento médico, evitar o uso de calcinhas de material sintético e os absorventes internos que facilitam as infecções vaginais".

Uma boa alimentação pode tornar todos os períodos da vida da mulher mais tranquilos e desempenhar um papel fundamental na manutenção da saúde. Um exemplo dado por Daniel é a artrite que no Brasil, estima-se que atinja cerca de 1,5 milhão de pessoas, podendo chegar até 5% em mulheres com mais de 55 anos. "A alimentação saudável e equilibrada é um dos fatores essenciais na prevenção desses tipos de doença. O azeite extra-virgem que contém antioxidantes, o leite e seus derivados, alimentos ricos em cálcio entre outros alimentos, além de caminhadas e controle do peso são algumas das tarefas necessárias para a prevenção".

Para uma alimentação equilibrada, alguns fatores devem ser considerados na hora da elaboração do cardápio: peso, altura, idade, atividade física e intelectual, fator estresse, hábitos alimentares e riscos nutricionais. De acordo com a faixa etária mudam as necessidades de aumentar determinados nutrientes. Confira as indicações do médico:

Adolescência (Acne,inchaço, anemia, formação dos ossos, etc): Consumo de vitamina A (mamão, cenoura, abóbora) e C (laranja, limão, acerola, abacaxi), carnes, feijão, lentilha, cereais enriquecidos com ferro e alimentos cítricos. Evitar o consumo excessivo de sal, shoyo, caldo de carne ou frango industrializado, além dos alimentos processados. Consumir cálcio na forma de leite e derivados, associado ao consumo de vitamina D (leite, ovos, margarina e banhos de sol).

Mulher adulta (obstipação, TPM, prevenção da saúde dos ossos, etc.): Diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas, café e sal. Consumir leite e seus derivados, praticar atividade física entre outros.

Mulher madura (menopausa, osteoporose, artrite, artrose, câncer, etc): Consumir alimentos enriquecidos com fibra, hortaliças, frutas e legumes, cálcio, praticar atividades físicas etc.

Idosa: Consumir alimentos como vegetais verdes e amarelos (ricos em vitamina C que ajudam a reduzir os danos às células) e ervilha e feijão (ricos em zinco que melhora o funcionamento do sistema imunológico), evitar os alimentos ricos em gordura e açúcares.

E se tem um problema que a "vida de equilibrista" tem feito aparecer bastante é o estresse. Emanuelli indica que a mulher procure dar um jeito de incorporar na rotina hábitos saudáveis, descansar, praticar atividades físicas e de lazer.

Há ainda um número crescente de mulheres jovens que morrem vítimas de doenças cardiovasculares, sendo as principais causas o acidente vascular cerebral e o infarto do miocárdio. O AVC lidera as estatísticas de causa de morte em mulheres entre 15 e 49 anos e em seguida, está o infarto.


Por isso, comemore o Dia da Mulher, continue cuidando de tudo e de todos, mas não se esqueça de ficar de olho na sua própria saúde.

Por Larissa Alvarez

Comente