Como identificar e tratar da menopausa precoce

3% das mulheres estão sujeitas à menopausa precoce
menopausa-precoce

Foto - Shutterstock

Quando falamos em menopausa, pensamos sempre em um período da mulher que se inicia por volta dos 50 anos. Mas nem sempre é assim. Para algumas mulheres, a menopausa chega bem antes, com pelo menos 15 anos de antecedência, bem no período em que a maioria ainda pretende ter filhos.

Se você tem menos de 40 anos e está notando sintomas como ondas de calor, irregularidade menstrual, insônia, irritabilidade persistente, ressecamento vaginal, alterações na pele e cabelo, aumento de peso e suores noturnos, fique atenta: a menopausa pode ter chegado antes da hora.

“Na menopausa precoce, os ovários deixam de funcionar como deveriam e ocorre a perda temporária ou definitiva da função gonadal, de produzir hormônios”, explica Dr. Fabio Cabar, especialista em Reprodução Humana.

Atualmente, cerca de 3% das mulheres estão sujeitas à menopausa precoce ou falência ovariana. Segundo Dr. Fabio, uma paciente que tem histórico familiar de menopausa precoce deve ficar atenta a esta possibilidade.

Quando a menopausa ocorre antes dos 40 anos sem uma causa aparente, é identificada a Falência Ovariana Prematura (FOP). "Este quadro ocorre gradualmente como na menopausa natural, por isso as mulheres devem ficar atentas.

A menopausa precoce pode ter causas genéticas ligadas a alterações no cromossomo X (Síndrome de Turner e suas variantes) ou ser uma consequência de doenças autoimunes associadas a problemas de tireoide, como a Tireoidite de Hashimoto, ou artrite reumatoide, lúpus e diabetes.

Há casos também de pacientes que tiveram a sua menopausa antecipada após uma cirurgia de retirada de ovários ou grande parte deles, radiação ou quimioterapia.


Comente

Assuntos relacionados: menopausa precoce sexo menopausa