Climatério pode resultar em obesidade e problemas cardíacos

menopausa

Foto - Shutterstock

O climatério, que é a fase em que a produção hormonal dos ovários vai diminuindo até a ausência de ovulação e chegada da menopausa. Nesta fase uma série de mudanças acontecem no organismo feminino.

Por conta da carência de estrogênio - principal hormônio sexual feminino, surgem irregularidade no ciclo menstrual,ondas de calor repentinas, irritabilidade excessiva e o principal fator, o ganho de peso.

Com o ganho de peso, vem também o aumento do risco de doenças cardiovasculares na população feminina. Segundo o dr. Sérgio Peixoto, professor de obstetrícia e ginecologia na faculdade medicina da USP, os riscos são ainda maiores com o desenvolvimento da síndrome metabólica. "Com a deficiência de estrogênio, a mulher tem a tendência a acumular gordura na região abdominal" completa.

O frequente aumento no Índice de Massa Corporal (IMC) da mulher, em conjunto com a expectativa de vida , que é de 5 a 8 anos maior que a dos homens, faz com que o risco da mulher desenvolver doenças cardiovasculares seja cada vez maior a partir do climatério.

Menopausa e o coração

Entre os riscos cardiovasculares que aumentam a partir do climatério estão:

- Diabetes

- Triglicérides elevado

- Colesterol bom é menos produzido HDL baixo (conhecido como colesterol bom) e a

- Hipertensão arterial - levando a maiores índices de infartos e acidente vascular cerebral (AVC).

- Tendência a desenvolver osteoporose e osteopenia

Portanto se você tem entre 40 e 65 anos de idade, tome cuidado! Tenha um acompanhamento médico frequente e evite desenvolver doenças relacionadas a esta fase que atualmente está sendo atravessada por cerca de 10 milhões de mulheres brasileiras.


Por Vila Mulher

Comente