Cérebro também precisa de exercício

Cérebro também precisa de exercício

Assim como o corpo precisa de exercícios físicos para funcionar de maneira saudável, o cérebro necessita de exercícios cognitivos para se desenvolver cada vez melhor. Sob risco de não ser aproveitado como pode, um cérebro mal estimulado perde suas funções e pode até influenciar em outras partes do corpo, visto que é essa máquina que controla todo o organismo.

Para que o cérebro se exercite, uma empresa trouxe para o Brasil, agora em maio, uma ideia que já é sucesso em 10 países e promete desenvolver e treinar o cérebro humano. A partir de jogos on-line, a intenção é exercitar as cinco principais funções cognitivas, que são memória, atenção, linguagem, raciocínio lógico e até visão espacial.

Ricardo Marchesan, do site "Cérebro Melhor", que licenciou a tecnologia da multinacional francesa SBT/Happy Neuron (Scientific Brain Training), explica que qualquer um, de qualquer idade, pode fazer a assinatura e já começar jogando. "Oferecemos uma variedade de jogos cientificamente criados e testados para desenvolver habilidades específicas. Com um login pessoal e instrutor virtual, cada usuário tem um treino personalizado, dependendo do perfil de cada um", explica. É possível monitorar os próprios resultados, que são comparados a uma base de dados mundial. "Em noventa dias, jogando meia hora a cada dois dias, já se vê resultado", garante. O site Cérebro Melhor oferece sete dias de uso grátis dos jogos, para teste. Depois, para assinar, os planos variam de R$ 29,90 (mensal) a R$ 199,90 (anual).

A neurocientista Suzana Herculano-Houzel, diretora do Laboratório de Neuroanatomia Comparada da UFRJ lembra a necessidade de se exercitar a cognição e compara o organismo a um computador. A diferença entre os dois é que, enquanto o eletrônico volta a funcionar, depois de desligado por um tempo, o cérebro, se parado, fica economizando. "As sinapses cerebrais são muito caras. Por isso o cérebro só mantém aquelas que usa de fato", explica.

Segundo ela, décadas de pesquisa provam que as funções cerebrais, quanto mais usadas, melhores ficam e as conexões se fortalecem. Mas se desfeitas, por falta de uso, podem até desaparecer. "Tudo que a gente faz depende de várias partes do cérebro. O bom funcionamento do organismo como um todo depende dessa atividade mental". A dica dela é fazer tudo que exija um pouco, que seja difícil na medida de que não frustre, claro. É preciso também variar o tipo de exercícios. "Vale ler, mas também fazer exercícios físicos, ter vida social rica, cultivar relacionamentos, aprender coisas novas, outras línguas, montar quebra-cabeças, jogar no computador. Quanto mais variar, melhor. Como a capacidade do cérebro depende do seu uso, o melhor remédio para a memória, para o aprendizado ou para o raciocínio é usar a memória, aprender, raciocinar".

Homens e mulheres

Os exercícios oferecidos para mulheres e homens são os mesmos. "Nossos especialistas notam que as mulheres têm desempenho maior na área de linguagem assim como homens têm em visão espacial e raciocínio lógico", diz Ricardo. Mas isso não significa que os cérebros sejam "diferentes". A neurocientista Suzana alerta que fazer alarde quanto às diferenças entre o cérebro do homem ou da mulher e suas capacidades é errado, já que os efeitos práticos das diferenças que realmente existem são muito pequenos.


"Todo mundo tem capacidade de fazer tudo, independentemente do gênero. Homens e mulheres têm, em princípio, o mesmo potencial de desenvolver capacidade cognitiva", garante. "E a expectativa com relação ao resultado é muito importante. Isso significa que se você acha que não vai se sair bem em determinado exercício, isso afeta no seu desempenho".

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente