Câncer de mama na juventude

Câncer de mama na juventude

Apesar de não existirem estatísticas oficiais, médicos e entidades ligadas a pacientes de câncer de mama vêm observando que, atualmente, a doença atinge a um número maior de mulheres abaixo dos 40 anos. Ou seja, mesmo durante a juventude, é preciso esclarecer-se sobre o assunto e estar sempre em dia com os exames capazes indicar a detecção precoce.

"Várias razões podem estar ligadas à maior incidência do câncer de mama em mulheres mais jovens, como o maior acesso à informação, o que as faz detectar o problema mais cedo do que ocorria antigamente", diz Gilze Maria Costa Francisco, enfermeira, paciente de câncer de mama e presidente do Instituto Neo Mama, entidade que atende e orienta mulheres com a doença. Gilze teve o câncer diagnosticado aos 38 anos, sem apresentar histórico familiar da doença, e há 11 anos submeteu-se à cirurgia. "Cerca de 10 a 15% dos casos acontecem quando há história de câncer de mama na família. Mas de 85% a 90% das causas são desconhecidas. Por isso, é sempre importante que todas as mulheres realizem o auto-exame e peçam ao seu médico que prescreva a mamografia".

No Brasil, o câncer de mama é a segunda doença que mais mata as mulheres, perdendo apenas para os problemas cardiovasculares. A previsão é que em 2010, 11 mil terão morrido vítimas do mal. "Vemos que antigamente o câncer aparecia na faixa etária dos 70 anos. Mais tarde, passou a ocorrer com mais frequência aos 60 e, agora, é muito comum acompanharmos casos de mulheres até os 50 anos com a doença. E muitas chegam a apresentar, sim, antes dos 40", diz Gilze que lamenta a ignorância de inúmeras mulheres em relação ao assunto. "Há as que dizem que não querem ficar se cutucando e outras que nem mesmo vão buscar os resultados dos exames pedidos pelos médicos. Isso é um erro que pode custar uma vida".

Vários fatores podem facilitar o desencadeamento do câncer de mama, como o excesso de exposição à radiação, vida sedentária, dieta desequilibrada, primeira gravidez após os 30 anos, menarca (primeira menstruação) antes dos 12 anos, menopausa tardia, fumo, álcool, terapia de reposição hormonal sem orientação e acompanhamento médico, nuliparidade (nunca ter engravidado).


O ideal, diz Gilze, é que até os 30 anos as mulheres realizem pelo menos uma ultrassonografia das mamas. "Entre os 30 e 35, deveriam fazer uma mamografia de base, para ser utilizada como parâmetro durante as próximas que realizarem durante a vida. O câncer de mama é silencioso e impiedoso. Quando ocorre em mulheres mais jovens, vemos maior dificuldade no resgate da auto-estima. É preciso combatê-lo com informação".

Por Adriana Cocco

Comente