Anorexia: modelo alerta sobre a doença

modeloanorexia

Foto: Telegraph

Muito já foi discutido sobre os momentos nada glamurosos das modelos que sofrem de anorexia. O caso de Georgina Wilkin, por exemplo, é de chocar. A jovem era mais uma dessas garotas em busca pelo seu espaço na carreira.

Na época ela passava dias sem comer, chegando ao ponto de quase desmaiar. Seu agente chegou a dizer certa vez: "Georgina, o que você está fazendo para ficar assim? Continue fazendo isso". Aquelas palavras motivaram Georgina a emagrecer ainda mais. A modelo ficou tão magra que seu coração e seus rins quase pararam. "Meus lábios e dedos eram azuis porque eu estava tão magra que o meu coração estava lutando para bombear o sangue", declarou Georgina ao jornal "Daily Mail".

Hoje com 23 anos, Georgina se sente pronta para relatar sua história e alertar outras garotas sobre os riscos da anorexia e essa forte ligação com o mundo da moda e da beleza, que impõe padrões estéticos. Pois esse mundo, muitas vezes, possui cenas de terror. Algumas modelos chegam a tomar atitudes extremamente radicais, como arrancar dentes para afinarem o rosto e parecerem mais magras. Georgina chegou a ficar tão magra que perdeu uma campanha de joias porque os anéis caíam de seus dedos muito finos.

Essa obsessão pela magreza entre as jovens modelos é comum porque na maior parte das vezes são meninas de 15 anos, sonhadoras, que ficam vislumbradas com esse mundo novo apresentado pelas agências. Como foi caso de Georgina que, com essa idade, foi abordada por um olheiro ao passear por uma rua em Londres. Ao chegar na agência de modelos pela primeira vez foi tratada como a próxima Kate Moss. Ela, que ainda não conhecia os percalços do mundo fashion, se sentiu tão lisonjeada que decidiu seguir em frente.

Ao ser aprovada para um casting em Tóquio, lhe deram uma condição: a jovem precisaria perder parte do quadril e uma polegada da cintura. E então deixar de comer tornou-se a missão de Georgina. Só comia salada ou então passava dias em jejum. "Falava aos meus pais que ia trabalhar ou comer com os amigos, assim não tinha que me sentar a mesa de jantar com eles quando chegava do trabalho", revela. Quando precisava fotografar, o maquiador disfarçava seus lábios azuis com corretivo.

Mesmo pesando 53 quilos com 1,73 de altura, Georgina ao chegar em Tóquio se deparou com modelos ainda mais magras. Georgina foi obrigada a ir para um apartamento com outras modelos para se "cuidar" e viver à base de bebidas com energético e cafeína.

Ao voltar de viagem a jovem ainda foi alertada pela família sobre seu estado de saúde e que precisava comer, mas Georgina sempre dava uma desculpa. Até que a situação chegou ao limite; desmaiou, foi internada e diagnosticada com anorexia de risco: seu coração estava prestes a parar e seus rins de funcionar. Ela poderia morrer a qualquer momento.

modeloanorexia

Eu era uma menina desnutrida vista como uma grávida de 30 anos, afirma Georgina - Foto: DailyMail

Georgina então fez um tratamento contra a anorexia e, recuperada, tentou voltar para o trabalho. Georgina iria desfilar na Semana de Moda de Milão, mas foi barrada, porque não era magra o suficiente. Por conta dessa pressão na carreira, Georgina passou novamente pela anorexia, e ficou à base de remédios anti-depressivos e anti-ansiedade, quando decidiu sair das passarelas.

"Você é apenas um produto na mão das agências. Os estilistas dizem: ‘você poderia se sair melhor se fosse mais magra’. Essa frase penetra nas cabeças das modelos e tem um efeito devastador", confessa a jovem, que hoje estuda para ser designer de interiores.

"Eu me sinto muito sortuda por ter sobrevivido. Mas fico indignada por ver meninas doentes por conta da profissão. A maioria das marcas de alta costura usam meninas anoréxicas em suas campanhas e a única maneira de parar com isso é que os clientes boicotem marcas que trabalhem com modelos abaixo do peso", acredita.


O debate sobre a excessiva magreza das modelos é cada vez mais frequente. Para que a discussão não esfrie, precisamos conscientizar essa jovens da gravidade da anorexia e mostrar o quanto ser magra demais está fora de moda.

Por Jessica Moraes

Comente