Absorvente interno poderá detectar câncer de ovário

absorventecâncerovário

Foto - Shutterstock

Para aquelas que rejeitam os absorventes internos, pode ser uma boa ideia reconsiderá-los. Uma nova pesquisa sugere que esse tipo de absorvente pode ajudar na detecção de câncer de ovário em estágio inicial.

No estudo, os cientistas acharam DNA de células cancerígenas que ficaram acopladas em alguns absorventes depois de usados. "Cerca de 60% dos pacientes que fomos capazes de pegar as células tumorais ainda no trato vaginal, tiveram suas trompas intactas", disse o Dr. Charles Landen, professor associado de oncologia ginecológica da Universidade da Virgínia, em Charlottesville, EUA, e um dos pesquisadores do estudo.

Em 3 das 5 mulheres que tiveram trompas intactas, os pesquisadores descobriram células no absorvente com exatamente a mesma mutação, chamada de mutação TP53, que tinham encontrado no próprio tumor. Esse foi um sinal de que as células cancerígenas de fato se movem a partir das partes superiores do trato reprodutivo, para dentro da vagina.

Para detectar as mutações nas células dentro dos absorventes, os pesquisadores usaram um tipo de sequenciamento de DNA, chamado sequenciamento profundo, que é capaz de detectar pequenas frações de DNA mutado em uma amostra.

Tentativas anteriores de desenvolver testes de triagem para câncer de ovário não funcionaram porque eles não são sensíveis o suficiente para detectar o câncer em grandes grupos de mulheres. "É por isso que muitos dos testes de triagem falharam - apesar de serem muito bons, eles não são muito bons o suficiente", disse Landen. O próximo passo da pesquisa será repetir o experimento em um grupo maior de mulheres com tumores ovarianos, incluindo alguns com câncer de ovário em estágio inicial.

Há um número estimado de 22 mil casos de câncer de ovário diagnosticados nos Estados Unidos durante 2014 , e cerca de 14 mil mulheres morrerão da doença este ano, de acordo com o National Institutes of Health. Isso acontece por que o câncer de ovário, assim como o de mama, é silencioso e normalmente não é detectado até que atinja estágios avançados.


Por Helena Dias

Comente