8 atitudes para amenizar os sintomas do Mal de Parkinson

sintomas Mal de Parkinson

Tremores nas mãos, rigidez muscular, movimentos lentos, dificuldades para atividades simples como caminhar ou se vestir, esses são alguns dos sintomas de quem sofre com o Mal de Parkinson. A doença neurodegenerativa geralmente acomete pessoas com mais de 50 anos, mas adultos jovens também podem ter o Mal de Parkinson.

Apesar de não ter cura, quem é portador do Mal de Parkinson pode conviver com a doença com alguns exercícios e atividades simples, que amenizam os sintomas. Se o diagnóstico for recente, os hábitos a seguir são ainda mais eficientes.

Confira o que é preciso para melhorar seu bem estar:

Exercícios diários - com o objetivo de executar movimentos automáticos, é necessário treino. Os movimentos então passarão a ser feitos de maneira consciente, e não automática. O portador da doença deve fracionar os movimentos, prestando atenção em cada gesto. Para ele não é mais simplesmente andar, é levantar uma perna, colocá-la para frente, depois levantar a outra perna e assim por diante.

Musculação - fazer musculação durante uma hora, duas vezes por semana, pode melhorar a coordenação motora de pessoas com Parkinson. As consequências geradas pela doença incluem perda e redução da força muscular, além da rigidez dos músculos. A musculação consegue reverter esses problemas e melhorar a estabilidade da caminhada.

Tai Chi Chuan - A prática do exercício duas vezes por semana durante 60 minutos ajuda os pacientes a manter o equilíbrio e fazer movimentos com mais precisão. O tai chi chuan promove mobilidade, equilíbrio e estabilidade aos portadores de Parkinson. Esse conjunto de habilidades acaba gerando mais autonomia para execução das atividades diárias e diminuindo o risco de quedas.

Origami - Em fases mais avançadas da doença, o paciente pode ter dificuldades de abotoar uma camisa, escrever ou pegar coisas usando apenas dois dedos. A prática do origami estimula a motricidade e dá mais precisão aos movimentos, tornando essas atividades mais fáceis.

Ginástica facial - Outro fenômeno comum da doença de Parkinson é a perda de expressão facial, resultado da rigidez muscular. Exercícios como os da ginástica facial podem ajudar o paciente na recuperação dos movimentos das sobrancelhas ou boca.

Exercitar a fala - O portador de Parkinson pode apresentar dificuldade para engolir e alterações na fala, como a gagueira. Podem ser feitos exercícios para coordenar a respiração e a fala do paciente a fim de que ele supere essas dificuldades. Aulas de canto e leitura em voz alta, com a orientação de um fonoaudiólogo, também são úteis para superar dificuldades orais.

Exercitar a mente - O paciente com Parkinson pode apresentar problemas de memória e raciocínio. Por isso é importante trabalhar a mente do paciente com Parkinson com jogos, aulas de música e leitura, por exemplo.


Convívio social - Em decorrência das limitações físicas que se desenvolvem progressivamente, o portador de Parkinson pode sofrer um abalo psicológico e até apresentar um quadro de depressão. Atividades manuais como pintura, cerâmica e artesanato podem ser benéficas e minimizar o desgaste emocional.

Por Jessica Moraes

Comente