Ração humana na dieta

Vale à pena incluir a ração humana na dieta

Como tudo que diz respeito ao que ingerimos o exagero e uso indiscriminado de preparados ou suplementos nutricionais requer atenção e muitas vezes, orientação de um nutricionista. A ração humana, alardeada como a grande aliada da alimentação saudável, também não deve ser encarada como panacéia para todos os males e muito menos substituta de refeições com o intuito de emagrecer.

Segundo a nutricionista Valéria Paschoal, de São Paulo, a ração promete, mas não supre as necessidades do organismo de ninguém. E pior, se utilizada de maneira exagerada, possui efeitos colaterais e pode acarretar complicações e até contribuir com a obesidade e celulite.

Claro que os elementos contidos na mistura da ração são naturalmente ricos em gorduras de boa qualidade, vitaminas, minerais e fibras e é inegável dizer que eles ajudam, sim, a ter uma melhora no quesito "saúde". Mas isso só ocorre quando utilizados sob orientação. "Qualquer coisa ingerida todos os dias sobrecarrega o organismo de alguma substância".

Os ricos do uso inadequado da ração humana são inúmeros. Alteração intestinal, por conta do alto índice de fibras, é um deles. "Em excesso, a fibra impede a absorção de alguns minerais e fitoquímicos dos alimentos", alerta a nutricionista. E se faz necessário o consumo adequado de água, caso contrário, pode ocorrer "prisão de ventre".

Valéria ressalta ainda que ingredientes como a levedura de cerveja é um fungo. Quando consumido em excesso, aumenta a quantidade de fungos no organismo, causando a chamada síndrome fúngica. "Essa síndrome resulta em problemas que vão desde o aparecimento de candidíase vaginal até outras desordens metabólicas, como hipo e hipertireoidismo".

Se acha que aquelas "fórmulas milagrosas" de shakes e fibras irão te fazer ficar mais magra e esbelta, cuidado: você pode estar colocando em risco a sua saúde e o bem-estar do seu organismo. "As pessoas estão mais preocupadas em ter uma alimentação adequada, mas não tem tempo e acabam achando que um pó pode resolver o problema", lamenta a nutricionista. "É preciso sempre um consumo de frutas, verduras e legumes, ter a presença de sementes nas refeições, mas fazer rodízio entre elas, gerando uma alimentação equilibrada, diversificada, sem causar sobrecarga", conclui.


Lembre-se sempre que a melhor maneira de saber se o produto consumido por você não lhe trará dores de cabeça é somente através da boa e velha avaliação médica. E a ingestão da ração humana deve ser passada por essa avaliação, tanto quanto qualquer outro emagrecedor ou suplemento alimentar.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente