Pesquisa destaca a importância da variedade de sabores no cardápio infantil

Alimentação infantil é reflexo dos pais

Uma pesquisa alerta: a criança deve conhecer uma boa variedade dos sabores até os quatro anos de idade. E comer mal, o que significa não seguir os princípios da educação alimentar, é um costume que podemos mudar. Uma pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo avaliou crianças de 4 a 6 anos e constatou que elas gostam dos alimentos que são habituais na própria casa e os preferidos pelos pais.

A nutricionista Isa Maria de Gouveia Jorge apresentou uma tese de doutorado que surgiu da observação de que o excesso de peso tem aumentado nas últimas décadas, inclusive entre as crianças desta faixa etária. A pesquisa avaliou 400 crianças de pré-escolas universitárias. Foram verificados o estado nutricional e a aceitação de 29 alimentos habituais de suas dietas. 190 dos pais também participaram do estudo com informações.

O excesso de peso e obesidade entre os pré-escolares foi de 31,9%. Pesquisa realizada pelo IBGE e Ministério da Saúde, revelou que o excesso de peso entre crianças de 5 a 9 anos foi de 33,5%. Entre os meninos, o excesso de peso aconteceu em 34,6%, sendo 9,5% obesos, e entre as meninas, 29,2% sendo 9,8% obesas. Este quadro revela a importância de se adotar medidas de prevenção a obesidade na infância.

O primeiro fator de importância nesta pesquisa aponta que somente 20% dos pais pesquisados percebem o excesso de peso dos filhos e neste caso pode ter influência de um fator cultural. O segundo fator foi o excesso de peso dos pais que também foi alto (43,2%) sendo maior entre os familiares das crianças com excesso de peso. Portanto, as chances de as crianças terem um ganho excessivo de peso são maiores quando os pais estão acima do peso.

Quais alimentos são aceitos?

Independente do estado nutricional, sexo e idade, as crianças têm preferência por alimentos altamente energéticos, ricos em gordura e açúcares. Batata frita, pizza, chocolate, salgadinhos tipo chips, salsicha, biscoito recheado e refrigerante. E entre os dez mais aceitos estão apenas três saudáveis, o frango, iogurte e melancia. Os outros são considerados não saudáveis e industrializados. As hortaliças incluindo entre elas o chuchu, sopa de legumes e purê de batatas estão entre os menos preferidos na molecada.


Os pais sentem se responsáveis pela alimentação das crianças, e afirmam controlar a ingestão de alimentos extremamente calóricos e industrializados. A preocupação com excesso de peso é maior nos pais das crianças que já sinalizam o problema. A pesquisa afirmou também que pressionar a criança a comer é uma prática comum, mas estas crianças têm menos possibilidade de gostar do alimento que são pressionadas a comer.

Por Catharina Apolinário

Comente

Assuntos relacionados: pesquisa alimentação infantil bem estar