Perder peso x Perder gordura: saiba a diferença

Perder peso

Foto: Wavebreak Media Ltd./Corbis

A gente comemora qualquer diferença na balança quando ela mostra um número menor, mas isso nem sempre quer dizer que você está ficando magra. É melhor tomar cuidado antes de fazer as dietas malucas das revistas porque elas podem não ajudar muito e ainda por cima não ser saudável, ou seja, você não deve apenas se preocupar em perder peso, mas sim também em perder gordura corporal.

Quando a balança mostra uma queda no peso, esta pode estar relacionada à perda de líquidos corporais ou musculatura. "Para saber se houve perda de gordura corporal (que é o intuito do emagrecimento), é preciso uma avaliação minuciosa, na qual o profissional habilitado utilizará de alguns aparelhos para a avaliação, como adipômetro, fita métrica e bioimpedância (aparelho que mede percentual de gordura, massa muscular e líquidos corporais)", conta Raquel Pegoraro, nutricionista com especialização em nutrição clínica pelo GANEP.

A massa muscular é um tecido nobre, do qual não temos estoque e que não devemos perder durante o emagrecimento, já que ele dá sustentação aos ossos, compõe os órgãos e é fundamental para manter o metabolismo sempre ativo. A gordura corporal, por sua vez, também é muito importante e tem sua função no organismo, mas seu excesso traz prejuízos à saúde, como doenças cardiovasculares, diabetes tipo II e hipertensão arterial. Por isso é que se a gente perde massa magra não se trata de um emagrecimento saudável.

"Temos reserva de gordura no organismo, portanto, é um tecido que pode ser perdido em um percentual adequado, melhorando a saúde e a estética corporal", explica a nutricionista. E o ideal é que as pessoas percam até 4kg de gordura por mês, assim não será preciso uma dieta muito restritiva e será muito mais fácil a adesão e manutenção dessa reeducação alimentar, além de não desequilibrar o metabolismo.

Para conseguir eliminar o peso certo, os alimentos açucarados, processados e embutidos devem ser evitados ou até mesmo retirados do cardápio. E esse deve ser o mesmo destino da farinha de trigo refinada, do refrigerante, dos sucos de caixinha com excesso de frutose, margarinas e produtos com gordura hidrogenada e trans.

Já na parte dos exercícios, é importante combinar uma atividade aeróbica, como caminhadas, corridas, natação ou dança, por exemplo, com uma atividade anaeróbica, como musculação, ginástica localizada ou pilates. E em se tratando do tema emagrecimento, as atividades aeróbicas são as mais indicadas e a orientação e acompanhamento de um educador físico também é indispensável para um bom resultado. Dessa forma podemos concluir que o emagrecimento é saudável de fato quando associamos exercícios físicos com reeducação alimentar, combinação obrigatória, e mais trabalhora, que se feita da forma certa ajuda a perder gordura corporal.


"Qualquer dieta, para qualquer fim, deve sempre ser prescrita por um profissional nutricionista, que é o único, de acordo com a legislação, que pode prescrever dietas alimentares. Além disso, nunca compre um suplemento ou complemento alimentar sem prescrição médica ou nutricional. Saúde não tem preço!", alerta Raquel.

Então, mãos a obra! Vá ao médico, pegue sua dieta, as séries de exercícios e comece a perder só a gordurinha, deixando os músculos intactos para arrasar no verão 2014.

* Serviço: Raquel Pegoraro, nutricionista com especialização em nutrição clínica pelo GANEP.

Por Juliany Bernardo (MBPress)

Comente