Nutricionista avalia as dietas da moda

Perigos das dietas da moda

Dieta da lua, do sol, do céu, da sopa, da papinha de neném e por aí vai. Os nomes são muitos, mas a vontade é uma só: emagrecer. A nutricionista Luciana Harfenist nos deu sobre as dietas que estão na moda e os cuidados que devemos ter. De quebra ela também sugeriu um super cardápio saudável para seguirmos!

Vale lembrar que o termo correto para dieta é ‘dietoterapia’: "É um trabalho de reeducação alimentar que respeita a individualidade bioquímica de cada paciente e faz parte de um programa global de mudança de estilo de vida, o que significa que deve ser aplicada para a vida inteira e não só por um período", explica a nutricionista. "As dietas comuns costumam ser muito restritivas e não ensinam o indivíduo a comer adequadamente, além de expor o organismo a deficiências nutricionais".

Daí que os padrões da estética têm que vir em segundo lugar e as dietas devem ser receitadas por uma verdadeira especialista. Vamos citar as principais dietas da moda e mostrar os erros que cada uma delas apresenta:

Dieta do Dr. Atkins (Dieta das Proteínas) - Propõe redução radical do consumo de carboidratos (massas, pães, doces, açúcares); libera o consumo de carnes (principalmente vermelha), ovos, maionese, manteiga, gorduras em geral; tem cerca de 1000 kcal/dia, sendo que praticamente metade das calorias provém de gorduras.

Luciana Harfenist - Esse tipo de dieta causa vários desequilíbrios ao organismo além de não ensinar o paciente a comer. O excesso de proteína aumenta a excreção de cálcio, sobrecarrega os rins, além de acidificar o sangue e diminuir a quantidade de serotonina no organismo. Muitos acreditam que comer só proteína vai aumentar a massa muscular, porem, isso é bioquimicamente impossível, pois as células necessitam de glicose para formar energia e novos tecidos. Essa dieta também é péssima para o intestino e ainda diminui o metabolismo basal em função da perda da massa magra. O único caso indicado para esse tipo de dieta são para pacientes com epilepsia, estudos demonstraram que a dieta cetogênica aumenta o intervalo entre as crises.

Dieta de South Beach - Estimula o consumo de gorduras monoinsaturadas (ex: azeite de oliva, amendoim, nozes); permite comer carnes, queijos, frango sem pele, bacon com moderação. E a partir da terceira semana, introduz frutas, leite desnatado e carboidratos integrais.

Luciana Harfenist: A Dieta de SB é um pouco mais liberal no final e procura escolher gorduras de melhor qualidade, mas os princípios são os mesmo da dieta da proteína e os malefícios também!

Dieta do Tipo Sanguíneo - dieta criada por um médico americano chamado Peter James D’Adamo. Os alimentos são divididos em três categorias: benéfico, neutro e nocivo. As pessoas de sangue "O" seriam caçadoras carnívoras, as de sangue "A" seriam vegetarianas dóceis, sangue "B" seriam onívoros e sangue do tipo "AB", uma junção das duas últimas.

Luciana Harfenist: Não há comprovação científica desta dieta, além de não levar em conta outros aspectos importantíssimos do metabolismo.

Dieta Ortomolecular - Baseia-se nos princípios da medicina ortomolecular, a qual propõe que muitas doenças podem ser prevenidas ou tratadas através do equilíbrio químico. Estimula o uso de fórmulas de vitaminas, minerais, aminoácidos, pró-hormônios, etc.

Luciana Harfenist: Esta dieta tem como princípio o equilíbrio orgânico e individual de cada paciente. O nutricionista com prática ortomolecular utiliza uma abordagem integrada. Hoje em dia, com a vida corrida, muitos pacientes não conseguem ingerir todos os grupos de alimentos necessários para a sua saúde. Alem disso, algumas doenças, transtornos e o uso de medicamentos crônicos podem levar a deficiência de vitaminas e minerais. A suplementação vitamínica só é realizada após uma avaliação completa através de exames e da avaliação clínica.

Dieta da USP - Apesar do nome, essa dieta não tem nenhuma relação com a Universidade de São Paulo. Seus criadores apenas se aproveitaram do nome para dar uma falsa credibilidade à dieta. Ela possui um cardápio padrão de uma semana, sendo repetida uma vez. Deve ser seguida rigorosamente em seus alimentos e horários. Utiliza principalmente carnes e ovos, e frutas e vegetais.

Luciana Harfenist: Dietas muitos restritas sempre levarão a deficiências nutricionais. A USP desmentiu essa dieta.

Dieta dos Sucos - consiste em beber exclusivamente sucos de frutas e hortaliças, podendo também acrescentar as frutas e hortaliças in natura.

Luciana Harfenist: Impossível de ser seguida e totalmente desequilibrada em todos os nutrientes, assim como dietas de sopas e apenas líquidos.

Perigos das dietas da moda

Dieta dos Pontos - Nesta dieta, a pessoa controla os pontos ao invés das calorias dos alimentos. Cada ponto corresponde a cerca de 3,6 calorias, baseado no seu valor nutricional. A pessoa deve anotar o que come durante o dia e fazer o somatório, que não deve passar de 300 para as mulheres e 400 pontos para os homens.

Luciana Harfenist: Como nutricionista especializada, considero a contagem de calorias uma metodologia que mais uma vez não ensinará o paciente a comer, pois muitas vezes ele escolherá alimentos vazios em nutrientes em detrimento de outros ricos em vitaminas em minerais por conta das calorias. Além disso a contagem de calorias pode aumentar a ansiedade de alguns pacientes, principalmente aqueles com transtornos alimentares.

Após esta análise a nutricionista conclui: "Todas as dietas da moda são fadadas ao fracasso, o ser humano é composto de trilhões de células que são renovadas diariamente e formadas exclusivamente de nutrientes. Assim, uma dieta restritiva levará a deficiências nutricionais sérias, por isso, o plano alimentar deve ser equilibrado e contemplar todos os grupos de alimentos necessários ao nosso organismo".

Sendo assim, a nutricionista Luciana Harfenist montou um cardápio especial para você se basear nas próximas refeições:

Perigos das dietas da moda

Café da Manhã

- Pão integral (energia e fibras) + Cotage ou Ricota (cálcio e proteínas) ou Pasta de soja (isoflavona e proteína vegetal) + Fruta (antioxidantes, flavonóides e fibras) + Farofa de cereais e sementes (ômega 3-6-9- fibras solúveis e insolúveis) + Suco natural ou Leite de soja;

- Shake com isolado protéico (proteína com alto valor biológico, vitaminas e minerais) ou Leite de soja (isoflavona, vitaminas e minerais) + Fruta + Farinha de linhaça dourada (fibras, ômega 3, magnésio, fitoesterois, vitamina E).

Almoço

- Arroz integral (fibras, carboidrato, complexo B) + Feijão ou Lentilha ou Grão de bico ou Feijão branco (fibras, ferro, complexo B e proteína vegetal);

- Hortaliças em geral (Fitoquímicos, fibras vitaminas e minerais);

- Proteína: Boi, peixe, frango, frutos do mar (aminoácidos, Vitamina B12- ferro-zinco) + Assado/Cozido e Gralhados (AVISO: Nada de frituras).


Lanche da tarde

- Sanduíche light ou salada de frutas ou torrada com queijo cotage ou pastinha light.

Jantar

- Igual ao almoço sem feijão.

Ceia

- Fruta ou iogurte ou um punhado de oleoginosas (Castanha do Pará, nozes, amêndoas - Riquíssimas em selênio, vitamina E e ômega 3).

Com esse cardápio cheio de alimentos nutritivos, com fibras e vitaminas, não tem mais desculpa para não termos uma refeição saudável. Na próxima vez que for fazer compras, leve uma listinha com alguns desses itens que você mais se identificou e comece a fazer sua própria dieta, saudável e gostosa!

Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?