Intoxicação alimentar

Hoje em dia é muito comum as pessoas comerem algo na rua, seja nas refeições principais ou nos pequenos lanches. E com a pressa não se dão conta de alguns detalhes importantes. É fundamental ficar atento ao que você come e fazer escolhas que te ajudem a evitar a intoxicação alimentar.

Sucos, vitaminas, mate gelado, sanduíche natural, churrasquinho, cachorro quente, pastel, enfim, são muitas opções encontradas sempre à disposição nas ruas, feiras, bares, barracas, quiosques, etc. Mas será que estes alimentos estão adequados para o consumo, isentos de contaminação?

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) se preocupa em garantir a qualidade e a segurança desses alimentos e, por isso, realiza treinamentos de boas práticas de fabricação em alguns estados e municípios, visando a higiene e a segurança na fabricação destes alimentos. Mesmo com esse esforço é impossível treinar todos os vendedores do país.

Vários casos de intoxicação ocorrem diariamente. Em um deles, no interior, pessoas passaram mal depois de comer sanduíches com maionese. Ontem, a imprensa também abordou a contaminação através da carne moída nos Estados Unidos. Isso só comprova que a intoxicação é mais comum do que se imagina.

Quando alguém se alimenta de algo que está estragado, o sintoma mais comum é a diarréia, às vezes associada aos vômitos, dores abdominais, febre, entre outros. Se você tiver um deles procure um médico imediatamente e não deixe o problema se agravar.

O mais indicado é sempre comer alimentos preparados em casa, os quais você sabe a procedência e a forma como foram manipulados. Mas é claro que isso fica impossível na realidade de muita gente. Portanto, veja algumas dicas:

- Verifique se o gelo utilizado no preparo dos alimentos do local é fabricado com água potável;

- Em locais sem água corrente, como quiosques e ambulantes, os pratos, copos e talheres devem ser descartáveis;

- Observe se as unhas do vendedor estão cortadas, limpas e sem esmalte;

- Observe se a vestimenta do vendedor está limpa;

- Verifique se a lata de lixo do local está sempre tampada;

- Veja se o vendedor manuseia o dinheiro e o alimento ao mesmo tempo, sem lavar as mãos;

- Se no local houver equipamentos para espremer frutas, veja se o mesmo está limpo e funcionando adequadamente;


- Analise também o aspecto (cheiro, cor, aroma e sabor) da comida ou bebida;

- Escolha sempre locais de confiança;

- Evite o consumo de molhos, condimentos, maionese caseira e alimentos crus;

- Na praia evite o camarão frito, queijo coalho e pastéis.

Roberta dos Santos Silva é nutricionista do site Cyber Diet e especialista em Atendimento Nutricional.

Comente