Dietas malucas - conheça os malefícios à saúde

Prós e contras da Dieta Funcional

Para quem está em busca do corpo perfeito a frase "perca 5 quilos em uma semana" pode parecer muito atrativa. Entretanto, essas dietas radicais que prometem o emagrecimento em tempo recorde não são nada benéficas à saúde.

A nutricionista Liliam Teixeira explica que tais regimes podem sobrecarregar alguns órgãos, como fígado e rins, e são desaconselháveis para quem tem colesterol alto. "Por não focar na qualidade, pode haver uma carência nutricional que ocasiona na queda de cabelo, anemia, osteoporose entre outras doenças", informa ela.

Mudar radicalmente a alimentação promove apenas uma restrição de calorias a curto prazo, porém não ocorre uma reeducação alimentar. "Sem uma mudança de comportamento, que é o objetivo da reeducação alimentar, é comum a pessoa recuperar o peso perdido ou até ganhar mais", afirma a nutricionista.

Ela também ressalta que uma dieta pronta não diferencia idade, necessidades de saúde e a individualidade de cada um. Por isso, embora a informação seja sedutora, a parte nutricional deixa a desejar. "Nenhum alimento faz milagre sozinho, cada um tem sua qualidade e o ideal é criar uma harmonia entre eles", orienta Liliam.

Liliam Teixeira selecionou três dietas que devem ser evitadas por quem deseja emagrecer com saúde. Confira:

Dieta funcional: essa dieta tem cardápios com alimentos que ajudam o organismo a combater os radicais livres, promovendo o equilíbrio mineral e metabólico. Porém, pode-se fazer uma dieta funcional pré-pronta ou incluir na alimentação tradicional alguns alimentos funcionais com uma orientação nutricional.

Os alimentos funcionais são aqueles que possuem ingredientes ou componentes ativos que desempenham determinados efeitos metabólicos, fisiológicos ou benéficos na saúde, prevenindo ou reduzindo o risco de doenças crônico-degenerativas (como cardiovasculares, câncer, diabetes, hipertensão entre outros).

Dieta dos pontos: cada alimento tem um número de pontos, você escolhe comer o que desejar, independente da qualidade. Nela, a intenção é que se obtenha uma determinada quantidade de pontos no fim do dia, sem diferenciação para qualquer pessoa. O objetivo é perder peso e não tem foco em uma alimentação saudável e em escolhas inteligentes. Dessa maneira, a dieta direciona para a quantidade de alimentos consumidos sem incentivar a parte nutricional.

Dieta dos "Shakes": a dieta a base de shakes visa à troca de uma grande refeição, como o almoço ou jantar, por um copo de shake, tentando economizar calorias. Ela pode até funcionar como um substituto de uma grande refeição, mas o que se precisa avaliar é se a pessoa consegue ficar sem jantar, sem uma refeição de paladar salgado e sem o estímulo da mastigação. Contudo, o perigo está no horário após essa ingestão dos tais shakes, pois para suprir a falta da mastigação ocorre os famosos "beliscos" no decorrer do dia.

Vale ressaltar que essa bebida "prática" nem sempre possui a quantidade necessária de vitaminas e sais minerais presentes em uma refeição e, por este motivo, essa troca pode deixar a imunidade baixa. Além do que fazer isso diariamente não estará promovendo uma reeducação e sim uma troca alimentar momentânea.

E nada de ficar horas e horas sem comer! Teixeira informa que quando se passa mais do que três horas sem comer o organismo precisará de uma fonte de energia e, quando não encontra, procura outra em nosso corpo. Nisso há liberação de gases que produzem o mau hálito.

"As dietas ricas em proteínas resultam em aminoácidos durante a digestão, que podem ser decompostas pelas bactérias do intestino grosso, que também produzem esses gases". Já no caso das dietas radicais e descontroladas, esse problema pode se prolongar por todo o dia.

Desse modo, Liliam descreve que, para emagrecer de forma saudável, é necessário tempo e força de vontade. "A dieta mais apropriada é a que promova uma conscientização de que a eliminação de peso ocorre com mudanças de hábitos alimentares a longo prazo e mudanças de comportamentos", diz.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente