Como não descontar as emoções na comida

comida

© Corbis

Momentos de estresse em casa, no trabalho, ataques de ansiedade e preocupação, tristeza, carência e frustrações diversas podem fazer você usar a comida como uma espécie de válvula de escape, um período de fuga.

Mas para que você não desconte as emoções na comida, veja alguns exemplos de como lidar com isso e evitar que você sabote a dieta e, principalmente, a vida saudável. Veja:

Entenda o que sente - procure identificar esse gatilho emocional que lhe fragiliza. Uma vez detectado, procure novas formas de sanar seus problemas. Recorra a um amigo, um parente e exponha o que está sentindo nesse momento, por exemplo.

Pondere seus pensamentos - quando surgir um sentimento ruim, procure avaliar a situação que está lhe causando esse mal e a dimensão do problema, que muitas vezes é pequeno e passageiro. Tente analisar de forma racional e procure soluções práticas para resolver as questões, ao invés de usar a comida como alívio temporário. Evite pensamentos negativos.

Busque um hobby - procure atividades prazerosas no seu dia dia, que anulam ou, pelo menos, amenizam os momentos de estresse e tristeza, distraindo a mente. Atividades que oferecem equilíbrio como yoga, pilates ou artísticas, como pintura, música, leitura, teatro, são bastante indicadas.

Exercite-se - saia para caminhar em um parque, correr, respirar bem, praticar uma modalidade específica que libere as emoções... essas atividades, além de proporcionar um bem estar maior, são boas oportunidades para refletir e encontrar soluções para dificuldades atuais.

Alimentos que ajudam - se a vontade de atacar a geladeira começar, procure ingerir os alimentos certos: frutas vermelhas protegem o cérebro, cereais integrais deixam o sistema nervoso mais saudável e o chocolate (em doses bem moderadas) libera serotonina, responsável por uma maior sensação de bem estar.


Procure auxílio profissional - se esses hábitos não estão sendo suficientes para que você evite a comida nessas situações de fraqueza, procure ajuda de um psicólogo, que pode dar orientações mais especificar para o seu caso.

Por Jessica Moraes

Comente