Comfort Food - você conhece?

Comfort Food  você conhece

Mais que um hobby, cozinhar, para Renata Cruz é um trabalho árduo e exige dedicação, esforço e muito talento. E é a mistura desses ingredientes que faz a diferença na carreira da chef e proprietária do restaurante Amici, de São Paulo, que completou um ano em maio.

A vocação para a cozinha se revelou durante a infância de Renata. "Sempre gostei muito de comer e de cozinha. Para mim, todas as melhores conversas sempre aconteciam na cozinha. Acho o ambiente mais gostoso da casa". Com 15 aninhos, ela já fazia eventos de todos os tipos. Mais tarde, cursou faculdade de Hotelaria e ali teve a confirmação de que desejava trabalhar cozinhando. "A certeza da profissão veio na primeira aula de cozinha, com a Gisela Brandão, hoje coordenadora do Senac. Depois desse dia, já entrei no meu primeiro restaurante e nunca mais saí da cozinha", revela.

O início da carreira como chef aconteceu no restaurante Espaço Árabe, em 2002. Renata trabalhou como subgerente, tomando conta de operação e cozinha. Depois foi convidada pela proprietária de uma escola particular para assumir o restaurante do colégio, no qual eram servidas mais de 300 refeições por dia. "Foi uma experiência muito bacana, de muito trabalho e aprendizado. Depois de voltar de uma especialização na França, decidi que era hora de abrir o Amici".

A abertura do restaurante não foi a correria de costume. Isso porque o local não fica no chamado circuito gastronômico da capital paulista. "A inauguração do Amici foi tranquila, estamos fora do circuito e acredito que isso nos deu tempo para respirar, para achar o equilíbrio antes de receber muitas visitas", conta Renata.

Desde então, a equipe do restaurante vem trabalhando com "comfort food" - pratos que resgatam lembranças especiais da família e da infância. A chef explica que todos nós temos comidas, sabores e cheiros que remetem a alguma situação específica, algum local ou que nos fazem lembrar algum momento ou pessoa especial.

"Às vezes provamos algo que tem exatamente o sabor de alguma comida ou prato muito marcante. No cardápio do Amici, para estimular esse resgate, procuramos usar alimentos comuns a todas as pessoas, como purê de batata, brigadeiro de colher, farofas, pudim". Claro que cada pessoa tem os seus sabores mais marcantes, relacionados às lembranças boas. "Mas alguns deles são comuns a todos, como brigadeiro em festa, bolo quentinho, saindo do forno, pão com manteiga, sopa, macarronada, molho de tomate, batata, mandioca, banana", afirma a especialista.

O cardápio é baseado em experiências de Renata e sua equipe. É uma mescla de receitas de família e de pratos que desenvolvidos a partir do gosto da equipe, releituras de lembranças de todos.

E será que a chef tem algum sabor preferido? "É difícil eleger um único favorito, mas acredito que a picanha com farofa de banana com chimuchurri fresco e o hambúrguer de fraldinha com batata rústica, molho de queijo brie e saladinha de rúcula são pratos que nunca irei tirar do menu", responde.

Mas, nem tudo é perfeito. Como em qualquer profissão, também existe a parte mais chata. Renata trabalha muitas horas por dia de pé e já perdeu comemorações de familiares e amigos por causa do horário de funcionamento do restaurante. Como recebe clientes, também precisa estar sempre de bom humor. "O show tem que acontecer todos os dias, é preciso manter o padrão, fazer a mágica acontecer para todos os clientes, independente do que está acontecendo na nossa vida pessoal", conta. Porém, tudo isso é superado com amor, disposição e vontade de crescer.


Os planos para a vida profissional ainda não foram todos alcançados, mas a chef acredita que ela e sua equipe estão no caminho certo. "Temos muito para estudar, melhorar e aprender. Gostaria de escrever algo sobre comfort food, já que ainda é tão difícil achar bibliografia relacionada, e ter metas para sempre. Sonhar faz o trabalho muito mais gostoso!".

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente