Chocolate: vantagens e desvantagens

bombom

O Chocolate, o amigo, contém:

1- Minerais como ferro, potássio, cobre, manganês e magnésio.

2- Uma gordura saturada, composta de ácido esteárico, que não provoca o aumento do colesterol no sangue.

3- Flavonóides, antioxidantes que combatem os radicais livres, protegendo o organismo contra a oxidação dos tecidos do corpo.

4- Substâncias que podem reduzir alguns tipos de bactérias que causam a cárie dentária.

5- Outras substâncias que podem melhorar o bem estar mental, o humor e o relaxamento. Podem também diminuir o apetite ou fazer com que a pessoa sinta menos dor. Esses efeitos ocorrem porque o chocolate é rico em triptofano, um aminoácido que aumenta a produção de serotonina no cérebro. As gorduras existentes na composição do chocolate liberam a produção de endorfinas, que possuem características semelhantes às da serotonina.

6- Theobromina, outra substância contida no chocolate, muito parecida com a cafeína, que estimula o sistema neuro-muscular, ativa as funções renais e beneficia o sistema nervoso. Pode melhorar estados de fadiga e estafa intelectual, desde que consumido em doses adequadas.

7- Magnésio, que pode suprir a deficiência desse elemento no período pré- menstrual, podendo ser essa uma das causas do desejo das mulheres de ingerir chocolates. Níveis mais baixos de serotonina também estão relacionados com esse desejo nesse período.

Chocolate, o inimigo:

1- Não há evidências científicas de que o chocolate causa dependência, porém após o seu consumo, ou diante de uma privação, podem aparecer em algumas pessoas reações semelhantes a um vício. Estudos indicam que, principalmente entre as mulheres, o chocolate pode desencadear comportamentos de compulsão. Há controvérsias em torno desse assunto pois as substâncias que podem ser responsáveis pela compulsão estão em pequena concentração. Não se pode assegurar que seja um alimento com potencial para causar dependência, ou que esteja relacionado a alterações neuro-químicas e hormonais, ou se não passa de um desejo por uma gratificação dos sentidos.

2- A vontade de comer chocolate não é suprida com a ingestão de qualquer outro alimento, por mais doce que seja.

3- O chocolate dietético, desenvolvido para diabéticos ou pessoas com intolerância à glicose contém o mesmo número de calorias e maior teor de gorduras saturadas. Só não contém açúcar. Por isso, engana-se quem acredita que ele não engorda.

4- Consumido em grandes quantidades pode causar insônia e nervosismo, devido à associação de cafeína e theobromina, substâncias estimulantes presentes em sua composição.

Por Flávia Leão Fernandes

Psicóloga - CRP 06/68043

Comente

Assuntos relacionados: chocolate nutrição