Bebida alcoólica: inimiga do sistema nervoso

alcool

Foto - Shutterstock

Após alguns drinks falamos enrolado, apresentamos lapsos de memória, falta de equilíbrio e de coordenação motora. Como será a bebida alcoólica gera essa pane no nosso cérebro? Será que o problema é reversível ou o abuso de álcool pode gerar sequelas?

Conversamos com Dr. Leandro Teles, médico neurologista , sobre os principais aspectos que envolvem o álcool e seu impacto no sistema nervoso.

1- Todo mundo sabe que o álcool faz mal para o fígado. E para o cérebro?

Sem dúvida nenhuma o álcool em excesso, seja em quantidade, seja na frequência do uso, gera uma série de alterações agudas e crônicas no sistema nervoso como um todo. O cérebro sofre e os nervos periféricos, também. O álcool traz comprometimento agudo e imediato da função de algumas regiões e, com o passar dos anos, gera alterações estruturais irreversíveis podendo levar a demência, neuropatia periférica, entre outros problemas.

2- Porque quando bebemos ficamos confusos e sem coordenação motora?

Após ingerir o álcool esse se difunde rapidamente para o sangue e é distribuído por todo o corpo. O cérebro recebe cerca de 20 % do sangue que sai do coração. O impacto é imediato, o sistema atencional localizado nos lobos frontais é o primeiro a sofrer, ficamos desatentos, eufóricos, com respostas motoras mais lentas e desajeitadas. A segunda região cerebral a acusar o golpe é o cerebelo, ficamos incoordenados, cambaleantes e com a fala mole. Por fim surge a sonolência que se aprofunda progressivamente. Já não fixamos nada na memória e se não houver muito cuidado a pessoa pode entrar em coma alcoólico com risco de vida.

3-Como o álcool destrói os neurônios e suas conexões?

O álcool age negativamente no sistema nervoso por diversas vias. Em excesso destrói diretamente células, conexões e redes inteiras. O cérebro que quem bebe demais envelhece precocemente e pode ficar atrofiado. Além do efeito direto, que bebe está mais sujeito a traumas na região da cabeça e a carência de algumas vitaminas fundamentais para o bom funcionamento do cérebro como a vitamina B1 ,B3,B6 e B12.

4-Quem bebe com frequência e pára de uma vez pode ter problemas neurológicos?

O álcool vicia psíquica e fisicamente. Isso significa dizer que a pessoa necessita cada vez mais da substância para ter tranquilidade e sentir-se próximo do seu normal. Quando um viciado fica sem sua droga surgem sempre sintomas de abstinência: irritabilidade, taquicardia, pressão alta, excitação psíquica, confusão mental e até alucinações. Neste momento é fundamental a intervenção médica para preservar a saúde do paciente e ajudá-la na transição para a cessação do etilismo.

5-Afinal, um pouquinho de vinho tinto faz bem ou mal ao cérebro?

Consumo regular de baixas doses de vinhos esteve relacionado a uma melhora do perfil cardiovascular. O cérebro fica sim mais protegido quando os vasos que o nutrem ficam mais saudáveis. A substância do vinho tinto responsável pelo efeito benéfico é o resveratrol, presente principalmente na casca das uvas tintas. Agora, não podemos esquecer que tem o álcool envolvido na formulação do vinho.

Algumas pessoas tem tendência ao abuso, outras doenças clínicas ou mesmo uso de medicamentos que não combinam com a ingestão de álcool. Essas últimas devem sim evitar essa substância. Portanto, a questão do custo versus benefício no uso regular de vinho deve ser avaliada caso a caso.


Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: vinho bebida sistema nervoso alcool drink