Barrinhas de cereais também podem atrapalhar a dieta

Barrinha de cereais  vilã da dieta

Foto: Divulgação

As barrinhas de cereais viraram "amigas inseparáveis" de quem vive na correria o dia todo e não tem tempo de fazer um lanchinho intermediário mais caprichado pela manhã ou à tarde. Feitas com frutas secas ou castanhas ou ainda cobertas com chocolate, às vezes fica até difícil escolher qual a ideal para carregar na bolsa.

Mas antes de sair por aí consumindo barrinhas de maneira desenfreada, é importante lembrar que elas não substituem uma refeição principal, como almoço ou jantar, e de vez em quando trazem ingredientes que são calóricos demais.

"A maioria das marcas carrega na quantidade de xarope de glicose ou de milho e isso é açúcar puro. E a quantidade de fibras está lá embaixo, por volta de 1g ou menos, o que não vai garantir a saciedade pelas duas ou três horas seguintes", alerta a nutricionista funcional Gabriela Maia. "Procure prestar atenção na quantidade de fibras alimentares. Ela deve estar acima de 1,5g no mínimo. Se estiver abaixo indica que tem mais açúcar que cereal na verdade".

A nutricionista da Escola Materna e da Clínica Lipocenter Santo André, Bruna Lopes Camargo, completa: "Quando acrescentemos chocolate, por exemplo, aumentamos também seu valor calórico. Então, prefira barras com frutas secas ou castanhas que, apesar de aumentar um pouco as calorias, são ricas em Ômega-3, que previne doenças do coração, e em selênio, que é um mineral antioxidante."

"As barrinhas de cereais com bananas desidratadas são geralmente as mais ‘magrinhas’ em termos calóricos, mas o que deve ser observado é a quantidade de fibras alimentares, que deve ser de no mínimo 1,5g, sendo que a média ideal é de 2,5g", orienta Dra. Gabriela.

Os componentes das barras de cereais também devem variar de acordo com o objetivo de cada pessoa. Dra. Bruna explica que as de proteína, por exemplo, são muito procuradas por praticantes de atividade física. Dra. Gabriela diz que esse tipo de barrinha possui uma média de 15g de proteína e que sustenta mais do que a barrinha comum, que tem até 2g. "Podemos até dizer que essas barrinhas com quase zero de fibra alimentar são de carboidratos, por conterem quantidades maiores de açúcar", diz a nutricionista funcional.


Para evitar consumir barrinhas muito calóricas, Dra. Bruna orienta que o consumidor fique atento ao rótulo dos alimentos, pois muitas vezes ele acha que está consumindo muitas vitaminas, minerais e fibras, quando nem sempre o produto apresenta uma quantidade significativa destes nutrientes.

E Dra. Gabriela finaliza: "Não adianta comer uma barrinha de 100kcal, cheia de xarope de glicose, milho e açúcar e daqui a uma hora estar morrendo de fome de novo. É preferível comer uma de 150kcal com 2,5g de fibras que vai saciar por três horas sem a fome perturbar!"

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente