Alimentação correta para os diabéticos

Alimentação correta para os diabéticos

Não há uma dieta específica para todos os pacientes com diabetes. Segundo a endocrinologista Luciana Tupy Tavares, o que existe são orientações sobre quais alimentos devem ser evitados, como, por exemplo, aqueles ricos em carboidratos, pois a ingestão elevada dos mesmos leva ao aumento do açúcar no sangue, aumento de triglicérides (gordura) e redução de HDL (colesterol "bom").

Para uma boa saúde os pacientes devem ingerir quantidades adequadas de carboidratos, proteínas e gorduras saudáveis, vitaminas, minerais, fibras e água.

As frutas não são proibidas. Elas contêm fibras, vitaminas e minerais, além de satisfazerem a necessidade de "comer algo doce". Os pacientes podem ingerir em média cinco porções de frutas por dia e devem dar preferência às frutas inteiras, ao invés do suco de fruta.

De acordo com Luciana, os pacientes diabéticos devem evitar alimentos ricos em açúcar pois os mesmos são digeridos muito facilmente e elevam rapidamente a glicose sanguínea . Os exemplos são: chocolate, mel, geléia, pudim, leite condensado, bolo, sorvete, doces e biscoitos.

Os polissacarídeos (carboidratos maiores) são absorvidos mais lentamente e podem ser consumidos com moderação, pois não causam elevações tão rápidas da glicose sanguínea. Os exemplos são: pão, arroz, feijão e massas.

"Os pacientes diabéticos devem ter o hábito de sempre ler os rótulos dos alimentos antes do consumo. Na grande maioria dos casos os pacientes diabéticos são obesos. E, portanto, uma dieta com quantidade reduzida de calorias é fundamental para a perda de peso. A perda de peso melhora um dos principais mecanismos fisiopatológicos da doença, que é a resistência à ação da insulina, hormônio produzido pelo pâncreas que é responsável pelo metabolismo da glicose", explica a endócrino.

Os alimentos mais recomendados são:

- Carboidratos e gordura monoinsaturada devem juntos ser parte de 60/70% da nossa ingestão diária.

- Óleos monoinsaturados: óleo de oliva, de canola, amêndoas ou abacate. A diferença prática entre as gorduras saturadas e as insaturadas é que as primeiras são sólidas em temperatura ambiente, ao contrário das insaturadas que são líquidas.

- Carnes de aves, vitela e peixe como substitutos de carnes vermelhas visando manter o teor baixo de gorduras saturadas.

- Ingestão protéica diária deve ficar entre 10/20% das calorias totais.

- Fibras devem ser ingeridas numa quantidade de 50 gramas por dia, pois têm efeito benéfico na glicemia (taxa de açúcar do sangue), lipemia (taxa de gordura ) e insulinemia ( quantidade de insulina). Os exemplos são: pão integral, arroz integral e vegetais cozidos com a casca.

- Dar preferência ao leite desnatado pelo ter menor de gordura.

- Optar por alimentos assados, cozidos ou grelhados.

"São muitos os casos dos pacientes diabéticos que não seguem as orientações de dieta e muitas vezes os fatores responsáveis são a complexidade desnecessária das informações", revela a especialista.


Luciana ainda acrescenta que os pacientes devem procurar respeitar os horários normais da alimentação, porém com alguma flexibilidade em relação aos horários.

"Podemos respeitar algumas preferências individuais de alimentação em relação à freqüência e horário das refeições, por exemplo, algumas pessoas gostam de três refeições por dia, enquanto outros preferem duas refeições e dois lanches. Porém ‘pular’ o horário habitual das refeições pode levar à fome exagerada e compulsão alimentar. Quando o paciente diabético tipo 2 passa a ser tratado com insulina, o horário das refeições e quantidade de carboidratos passa a ser muito importante", conclui.

Por Jessica Moraes

Comente