Tempo Equilibrista

Tempo Equilibrista

Foto: Mark Weiss/Corbis

Esta coisa imaterial de que falamos sempre e que sempre parece faltar. A falta de tempo parece nos governar, tirar todas as oportunidades de termos qualidade de vida, aproveitar momentos preciosos.

Fica sempre "faltando tempo" para fazer aquele curso tão desejado, visitar amigos queridos, ir ao cinema, ler um livro, brincar com os filhos ao invés de apenas correr atrás deles o dia todo, verificando se estão estudando, se foram às aulas extras, etc.

As promessas que fazemos são roubadas pelo tempo: "Ligo para você assim que puder para a gente se encontrar" (e este "assim que puder nunca chega")."Vamos almoçar na semana que vem? (e a semana que vem fica cada vez mais distante).

Na vida das equilibristas isso ganha ares de rotina. Em palestra para um grupo de mulheres, uma delas fez um desabafo dos mais espontâneos: "faz tempo que não uso mais relógio...uso cronômetro!". Vivemos intensamente todos os nossos papéis, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Não tem descanso nem feriado.

E, mais do que isso, temos a sensação de que, ao final de cada dia, a lista de itens que não foram "ticados" e que seguirão na lista das atividades do dia seguinte é bem maior do que gostaríamos. Sempre fica a impressão de estar devendo alguma coisa, seja em casa ou no trabalho. A conta das atividades está muitas vezes no vermelho. Ufa!

Por que será que vivemos com esse desespero de que não vai dar tempo? Muito provavelmente porque fomos somando "pratinhos" em nossas vidas e não abrimos mão de nada. Somos mães, profissionais, donas de casa, amantes. Precisamos estar com o corpo em dia, com o cabelo pintado, as unhas feitas, a despensa cheia, os filhos bem educados, o cinema em dia, o noticiário atualizado, o carro com a revisão em ordem, as compras de supermercado feitas...

O tempo nos escraviza e os anos passam, mas a conversa continua a mesma: "não tenho tempo para nada . Às vezes, geralmente no começo do ano podemos até bravamente tentar lutar contra ele, tomando resoluções: "Este ano vou fazer isto ou aquilo, vou ter mais calma, administrar melhor minha vida". E, de repente, parece que o tempo é mais forte e "rouba" novamente nossa decisão e tudo continua na mesma. E a vida vai passando e os filhos vão crescendo e o trabalho nos devora e temos a impressão que estamos sendo levadas por uma corrente que nos arrasta sem dó e contra a qual não conseguimos lutar.

Ora, o tempo é tão importante que até tem música própria:

"Compositor de destinos, tambor de todos os ritmos...

Tempo tempo tempo tempo, entro num acordo contigo...

Tempo tempo tempo tempo..."

(Oração ao Tempo, Caetano Veloso)

Parafraseando Caetano Veloso, como vamos "entrar num acordo com o tempo"? E impedi-lo de ser o "tambor de todos os ritmos?" O que fazer para sair deste redemoinho sem fim?

Vocês podem pensar neste momento: "Ai, lá vem mais um texto de autoajuda, não agüento mais ouvir as mesmas palavras" Também acho que textos ou livros de autoajuda têm sua importância e sua hora, mas que até eles precisam ser inseridos em nosso domínio do tempo. Como lê-los, se não tempos tempo?

Então, vamos à luta contra este algoz e acho que o melhor método é atacá-lo, começando por nos conscientizar de que somos escravas do tempo, que nós, mulheres independentes, trabalhadoras, donas do próprio nariz, na verdade temos um "senhor" que nos governa implacavelmente

Assim, decididas a acabar com esta situação e eliminando a frase "não tenho tempo" de nosso vocabulário, vamos às dicas práticas:

1 - Por a mão na massa: escrever uma lista de tudo o que tenho para fazer durante uma semana típica. Em seguida relê-la com cuidado e eliminar coisas que realmente não precisam ser feitas naquela semana. É incrível, mas quando colocamos as idéias em ordem com calma, vemos que temos pelo menos uma atividade que não é tão importante assim e pode ser postergada. Respire e sinta a satisfação de conseguir um tempinho extra.

2 - Consultar novamente sua lista e estabelecer prioridades e datas para o que tem que ser feito. Desse modo você vai ter uma relação do que tem que ser feito naquele dia e naquela semana. Imprima esta lista e mantenha-a em lugar visível para que você não se perca. Isso vai ajudá-la a se disciplinar e vai aliviar muito sua tensão, porque você não vai precisar "ficar se lembrando" de tudo o que tem para fazer: está tudo lá por escrito.

3 - Diminuir seu nível de exigência para com você mesma: não queira ser a mais perfeita em tudo, nem ter a casa arrumadíssima (mesmo porque na maioria dos dias ninguém vem visitá-la, certo?), o jantar pronto na hora exata, as crianças matriculadas em todos os cursos extras possíveis... relaxe um pouco, no bom sentido, claro.

4 - Manter tudo organizado. Ter um lugar para tudo, para que quando precisar sair não tenha que correr de um lado para o outro procurando onde estão as chaves do carro, a carteirinha do convênio médico, etc. Arrume suas roupas e livre-se de tudo o que você não usa mais. Outras pessoas se beneficiarão de sua generosidade e haverá mais espaço livre para que você não perca tempo procurando o que vestir.

4 - Escolher os profissionais que a atendem (médicos, cabeleireiro, etc.) o mais próximo possível de sua casa. Isto vai economizar tempo perdido no trânsito e aliviar a ansiedade.

5 - Aprender a dizer "não" aos outros, quando o que for solicitado causar um estresse adicional no seu já supercomplicado programa diário.

6 - Delegar o que for possível, evitando a frase "só eu consigo fazer isto bem".


Pronto: se você teve tempo para ler esse pequeno texto já é um bom sinal! E depois de seguidas as dicas, aproveite para usar o tempo livre que conseguiu para acalmar-se e relaxar: sente-se num lugar tranqüilo e feche os olhos por 10 minutos. Todas estas medidas são pequenos passos para "dominar" o tempo. E quem sabe estes 10 minutos que você conseguiu podem se transformar aos poucos em vinte. O tempo é seu, desfrute-o!

Anna Russo, www.terapia-positiva.com e Cecilia Russo Troiano, psicóloga, sócia-diretora da Troiano Consultoria de Marca e autora do livro "Vida de Equilibrista". Casada e mãe de 2 filhos, ela afirma que é mãe equilibrista, vive sua vida tentando equilibrar "pratinhos". Email - cecilia@troiano.com.br. Venda do seu livro pelo site www.vidadeequilibrista.com.br

Comente