Pessoas que te deixam louca

Pessoas que te deixam louca

Chefe mandão, colega chato ou parente que pega no pé, todo mundo convive com alguém que é capaz de lhe tirar do sério. Os "fazedores de louco" atrapalham a vida de muita gente, entre eles, os mimados, os exigentes, isso sem contar os bullies, pessoas que usam a agressão principalmente psicológica para intimidar ou manipular.

Conforme o Paul Hauck, doutor em psicologia clínica e membro da Associação Americana de Psicologia, antes de você tomar alguma atitude é preciso pensar nos seguintes princípios. "Os outros não vão mudar a menos que você mude primeiro. Além disso, você recebe o comportamento que tolera. Mas, nunca se esqueça, você e eu também fazemos parte desse grupo de loucos de vez em quando", escreveu Paul em seu livro "Como lidar com pessoas que te deixam louco".

Em suma, o que ele quer dizer é que parte desse sofrimento acontece por culpa de nós mesmos. "Você é responsável diretamente por 51% dos seus problemas sentimentais. Ninguém pode abalá-lo emocionalmente a não ser que permita. Você, a pessoa que está deprimida, zangada ou com medo, é o maior causador dos seus próprios sentimentos neuróticos", ressalta.

Na opinião de Maura de Albanesi, psicoterapeuta e Diretora do Instituto de Psicologia Avançada AMO, hoje em dia as pessoas têm medo de dizer não às outras, mais do que isso se cobram tanto ao ponto de achar que devem fazer tudo melhor que as demais. "Muitas delas se julgam capazes de resolver tudo com perfeição, se colocam num tufão de vibrações, ou seja, num funil que absorve os sentimentos e emoções de todas as pessoas que as cercam. Dizer não é quase impossível. Para que a gente deixe de criar problemas com as outras pessoas, o melhor é que cada um cuide das suas tarefas e obrigações, seja lá qual for o ambiente. Não precisamos trazer para si os problemas dos outros e nem levar os nossos para ninguém", aconselha.

E quando há o excesso de zelo, a boazinha da história, que ajuda e não se sente manipulada, também chega a ficar chata e inoportuna. Existe muita gente que se sente feliz em ajudar os outros, às vezes uma atitude perigosa, pois se corre o risco de o ajudado se sentir invadido.

Pessoas que te deixam louca

Foto/Divulgação Editora Objetiva

Paul lembra que parte do sofrimento com os outros também acontece pela extrema confiança que é depositada a partir do momento em que conhecemos alguém, principalmente quando se começa um novo relacionamento. "Tente sempre permitir que o amor tampe seus olhos para relacionamentos que seus amigos e familiares facilmente percebem que será um desastre. Sempre pergunte a si mesmo quais características negativas ele ou ela também tem. Resumindo, seja um pouco cético".

Chefes difíceis

Líderes geralmente recebem a culpa da insatisfação que muita gente tem no trabalho. Na opinião de Marlene Ortega, sócia-diretora da Universo Qualidade, entidade especializada em treinamentos corporativos, o chefe é carregado de estereótipos e geralmente lembra uma pessoa brava, sem paciência, estressada, que a gente precisa se esforçar para agradar. "Sem se esquecer que ele é cobrado por resultados. Ele personaliza a pressão que o trabalho exige", acrescenta.

O velho e bom diálogo sempre ajuda a colocar a casa em ordem, pelo menos na teoria sim. Deve haver disposição de ambas as partes, mas nem sempre é o que ocorre, segundo Ortega. "Muitas vezes as pessoas não contestam porque se cria um mito em torno daquele líder. O medo de perder o emprego faz com que muita gente perca oportunidades de falar abertamente. Essa pessoa que não contesta se sente ainda mais insegura e prejudicada no seu local de trabalho", diz. A indicação da psicóloga é sempre a conversa, entretanto, se mesmo assim o clima ainda permanecer tenso, uma alternativa é tentar trabalhar em outro departamento, na mesma empresa.

"Como duas pessoas adultas, vocês reconheceram que são pessoas diferentes e a convivência é difícil. Neste caso, você pode ir ao departamento de Recursos Humanos e falar que apesar de estar contente na empresa e envolvido no seu trabalho gostaria da possibilidade de transferência, quando abrir uma vaga em outro departamento. Se candidatar. Claro que nunca depois de uma briga, em um momento de fortes emoções. Faça isso com calma, em um dia tranqüilo, e mostre aos profissionais de Recursos Humanos que você busca o melhor ambiente para progredir na empresa", sugere Marlene.


Também vice-presidente do Business Professional Women, associação que congrega mulheres de negócios em todo o mundo, Marlene afirma que muita gente se encaixa na situação de vítima e acredita que a questão é somente pessoal. Em alguns casos, a psicoterapia é um bom caminho para buscar o autocontrole em situações difíceis e reconhecer também se você não está sempre no papel de vítima. "Mas, lembre-se, a partir do momento que colocamos os nossos pés na rua, temos que estar preparados para enfrentarmos todas as situações e hostilidades. O autocontrole é essencial para isso", finaliza.

Por Juliana Lopes

Comente