Novas decisões de ano novo

Ano novo, ueba! Aposto como você agora está otimista e pronta para encarar as suas decisões para o novo ano. Devidamente descansada já terá interiorizado melhor todas as suas ótimas intenções de, agora sim, colocar em ação suas decisões para 2009.

Falando nisso, sempre achei chatíssimo fazer balanço no final do ano. Afinal de contas, com algumas variações, as pessoas sempre acabam tomando apenas as decisões mais estranhas. Ou, pelo menos, terrivelmente entediantes e/ou difíceis na hora de se cumprir. As listas são sempre mais ou menos assim:

1- A partir do ano que vem vou parar de fumar

2- No próximo ano começo meu curso de alemão ( ou inglês, japonês, ou espanhol…)

3- O regime começa, sem falta e pra valer, no dia primeiro de janeiro

4- Esse ano vamos finalmente fazer a reforma da casa

5- No ano que vem vou viajar com toda a família e aproveito para levar a sogra - assim todos ficam felizes.

Como se vê, pouco, ou nenhum prazer real em qualquer das alternativas. Não dá para começar o ano realmente feliz com esse tipo de perspectiva, não acha? Até dá para manter algumas dessas decisões - desde que façamos algumas adaptações e corrijamos o rumo em curso, se necessário for.

Parar de fumar - é louvável, sem dúvida e só pode fazer bem. O problema é o grau de culpa que as pessoas se atribuem e claro aquela autopunição por não conseguir parar de uma só vez. Ou por sucumbir. Talvez se, junto com essa decisão elas tomassem outra realmente agradável para compensar, fosse mais fácil esquecer o cigarro.

Que tal começar um curso, bem estapafúrdio e/ou inútil - porém fora da sua rotina - e que você sempre quis fazer, como ikebana, aeromodelismo, plantação de bonsais, a arte da miniatura ou mesmo enologia? É melhor do que, aliar a falta de cigarro a falta de comida (em geral, com medo de engordar, todos começam alguma dieta, só para garantir).

O começo da dieta pra valer - essa é outra que jamais dá certo. Pudera! Não dá para começar nenhuma dieta realmente séria em meio a férias. Se você acha que dá, antes de começar mesmo, convide alguém de quem você adora a companhia e que você sabe que não ficará contando calorias e vá aquele restaurante super especial, onde você acabou jamais entrando por pura falta oportunidade e faça da noite uma oportunidade inesquecível: coma tudo o que tem direito, escolha um bom vinho e beba sem pensar na conta ou em pontos de tabela.

A viagem com a família - cada um sabe a família e a sogra que tem e, até conheço alguns casos raros onde as sogras seguraram e salvaram o casamento dos filhos e genros/noras. Porém, são raros. Assim, considere algumas alternativas diferentes:

a) viajar apenas com seu marido e filhos - se você quase nunca faz isso é uma grande oportunidade de fortalecer vínculos. E, se faz sempre, talvez seja o caso de considerar a alternativa b que é:

b) viajar apenas você e seu companheiro - e redescobrir o prazer de simplesmente ficarem juntos, sem obrigações, horários ou pressões.

c) viajar sozinha - alternativa extremamente atraente que pode levá-la a lugares aonde sempre quis ir. Vale qualquer um: de Caldas Quentes a Machu Pichu, de Veneza a Timbuktú. O destino quem escolhe é você, e ninguém mais. E pode trazer surpresas incríveis.

d) Viajar para algum lugar com sua paixão secreta. - embora politicamente incorreta é quase irresistível não é mesmo? Até mesmo sonhar com isso pode ser mais agradável do que uma viagem com toda a turma e a sogra. Pois sonhe - muito seriamente - e, se der e puder, vá em frente.

Jornalista, escritora e palestrante, Claudia Matarazzo é autora de vários livros sobre etiqueta e comportamento: “Visual, uma questão pessoal”, “Negócios Negócios - Etiqueta faz parte”, “Amante Elegante - Um Guia de Etiqueta a Dois”, "Casamento sem Frescura", "net.com.classe", "Beleza 10", "Case e Arrase - um guia para seu grande dia", "Gafe não é Pecado" e "Etiqueta sem Frescura"

Comente

Assuntos relacionados: metas cláudia matarazzo ano novo 2009 sexo