Impossible - atriz cria rede social do bem

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
impossible rede social do bem

foto: reprodução/Impossible.com

Você já imaginou se existisse uma rede social que, diferente das demais, pudesse estimular seus usuários a ajudarem pessoas desconhecidas sem ganhar nada em troca, como se fosse uma corrente do bem? Pois agora ela já existe! E quem criou essa rede, a Impossible (impossível em inglês) foi a atriz e modelo britânica Lily Cole, de 27 anos.

A jovem lançou o site há cerca de um ano e já tem usuários em mais de 70 países – inclusive no Brasil. Funciona assim: o usuário compartilha na plataforma o seu desejo, aprender a tocar violão, por exemplo. Depois ele espera por algum outro usuário que se ofereça a ajudar – lhe dando aulas de violão.

Os usuários que ajudam os outros recebem um "obrigado", uma espécie de moeda vitural da rede. Um dos lemas do Impossible é "Um obrigado vale mais que mil curtidas".Embora a rede tenha sido considerada “idealista demais”, Lily a defende. "Na minha vida, as coisas que fiz de graça, por generosidade, foram algumas das experiências mais felizes que já tive", explicou em uma entrevista à BBC.

A rede também é voltada para aqueles internautas que se afastam de outras redes sociais mais famosas, por discordarem da forma como suas informações eram utilizadas para tentar vender produtos a elas.

lily cole impossible

A atriz Lily Cole, fundadora da Impossible

"Acho isso uma forma muito preocupante de usar a internet. Não quero estar em um mundo, seja ele físico ou online, sendo exposta aos meus próprios 'preconceitos'. Eles tentam vender coisas que já sabem que eu quero", afirma a fundadora do Impossible.

É claro que, como toda rede social, ela acaba, sem querer, saindo de seu propósito. Existem usuários que fazem pedidos irreais, como quer um carro ou um pinguim. Mas muitas vezes o retorno é bem-humorado.  “Alguém uma vez escreveu que queria roubar um pinguim e outra pessoa respondeu que ele não deveria roubar um, mas enviou um link onde era possível baixar a imagem de um pinguim.”, diverte-se Lily. " Talvez esse seja o melhor resultado disso. Você vê pessoas sendo realmente muito boas. Isso nos faz sentir bem", conclui.


Embora seja um projeto sem fins lucrativos e voltada para um nicho específico, Lily estuda a possibilidade de vender produtos no site, mas ainda estão em busca de um modelo sustentável para a rede e coerente com os seus propósitos.

Por Jessica Moraes

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Assuntos relacionados: rede social corrente do bem