Compulsão por compras

comprador compulsivo

Compras. O que era para ser uma atividade agradável e esporádica acaba se tornando mais freqüente que o normal e se transformando em uma compulsão. Esse é o mal de quem sofre de oneomania (também leia-se oniomania), ou seja, obsessão por comprar.

Segundo a psicóloga Deise Lazari, a pessoa começa a comprar por prazer, como qualquer outra, porém o ato vai se tornando cada vez mais freqüente até chegar a um ponto em que a pessoa sente um vazio existencial. Seja um momento depressivo, de solidão ou dificuldades familiares.

A partir daí é preciso prestar atenção. Segundo Deise, a pessoa percebe que está "doente" quando se afunda em dívidas ou algum familiar a confronta. "Normalmente quando ela sabe que será confrontada, compra escondido", explica a psicóloga. "Os demais prejuízos são as dívidas que a pessoa acaba contraindo. Isso desestabiliza a situação financeira familiar. Existem casos em que a familia tem até que dispor de bens, como carro, por exemplo, para pagar as contas do dependente".

A pessoa que gasta obsessivamente não é feliz. Muito pelo contrário, ela tem uma necessidade constante e precisa de ajuda. O pior de tudo é que, quando chega em casa com um monte de sacolas, ela tem a percepção de que aquilo foi vão. Ela continua frustrada, pois como o vazio é existencial, não será preenchido nunca. E a pessoa sai comprando no dia seguinte.

Mas existem meios de solucionar o problema. Grupos de ajuda do tipo "compradores compulsivos" costumam ajudar bastante e são gratuitos. Ajudam porque, ainda segundo a psicóloga, a pessoa encontra outras como ela que também são compulsivas e assim consegue ouvir histórias semelhantes à sua relatadas por outras pessoas, descobrindo que é necessária a tomada de consciência da dependência e a busca de ajuda.

A psicoterapia também é um auxílio importante para que o indivíduo encontre dentro dele mesmo o "vazio" que o faz comprar para preencher a si próprio.

"A abordagem psicoterapêutica é focada nessa busca. O que é que falta na sua vida e que você precisa buscar em comprar? Essa seria a pergunta norteadora. A pessoa vai identificando os seus ‘vazios existenciais’, entendendo que eles não podem ser preenchidos com ‘coisas’, mas devem ser trabalhados com enfrentamento da realidade vivida", finaliza.


Por Jessica Moraes

Comente

Assuntos relacionados: consumo compulsão consumista comprar