Vai malhar? Cuide do seu smartphone!

Vai malhar Cuide do seu smartphone

Foto: Anouk de Maar/cultura/Corbis

O relatório Mobile Health Market Report 2010-2015, da consultora alemã Research2Guidance, aponta que, até 2015, 500 milhões de usuários de smartphones, de um total de 1,4 bilhões, vão usar aplicativos voltados para a saúde. Em 2010, ano de divulgação do levantamento, o mercado possuía mais de 17 mil opções de aplicativos do gênero, 74% deles pagos.

Com isso, os aparelhos de celular viraram aliados de quem malha dentro das academias, em casa ou ao ar livre. Mas sem os cuidados necessários de manuseio durante as atividades físicas, é muito fácil encurtar a vida útil de um smartphone.

De acordo com dados do Clube Pitzi, empresa que vende planos de proteção contra acidente para celular por meio da internet, 80% das falhas desses aparelhos são causadas por acidentes, como a quebra de tela e teclados.

"A falta de cuidado na hora de carregar esses celulares para a malhação pode resultar em quedas, já que muitas vezes os aparelhos são mal colocados em bolsos ou em outros lugares inadequados", alerta Daniel Hatkoff, fundador do Clube Pitzi. "O aparelho também pode escorregar das mãos suadas ou ficar molhado por conta da chuva, no caso de atividades realizadas ao ar livre", completa.

Nem todos os problemas podem ser resolvidos facilmente. Quando ocorre a oxidação de alguns componentes por conta de suor, por exemplo, a solução é quase impossível. Seria necessário trocar todos os itens na maioria dos casos. Porém, se um componente for molhado é possível secá-lo antes da oxidação.

Daniel diz que, dependendo da atividade física, só as capinhas convencionais não são suficientes para proteger o aparelho. No caso dos esportes praticados ao ar livre é indispensável o uso de uma bolsa apropriada que proteja o smartphone da chuva. Ou, ainda, colocar o aparelho dentro de um saco plástico com zíper se o exercício for praticado perto de lugares "úmidos", como praia.

"A coisa mais importante é cuidar para que o smartphone, de forma alguma, sofra uma queda. Então o atleta pode usar bracelete/braçadeira para amarrar o aparelho no braço", aconselha Daniel.


Juliana Falcão (MBPress)

Comente