Tênis minimalistas: cuidado com as lesões

Tênis minimalistas cuidado com as lesões

Quem pratica exercícios físicos sabe muito bem que um equipamento de qualidade é parte essencial para atingir bons resultados. E um item que vem fazendo sucesso entre os amantes das corridas é o tênis minimalista.

Ele recria a pisada natural e possui menor sistema de amortecimento comparado ao tênis de treinamento. Segundo o Dr. Mauro Fuziki, especialista em Medicina do Esporte e Diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte - SBMEE, esse tipo de calçado se assemelha àqueles usados no "barefoot running", praticado pelos corredores indígenas mexicanos Tarahumaras.

Eles promoviam uma competição na qual corriam com um tipo de calçado rudimentar. "Foi organizada uma disputa entre este povo e alguns corredores ‘ocidentais’, entre eles um homem conhecido como Barefoot Ted, que tinha o hábito de correr descalço. Desde então, surgiu um tipo de calçado chamado Vibram Fivefingers Shoe, que começou a conquistar adeptos por aí", explica.

Fuziki, que também é autor do livro "Corrida de Rua: Fisiologia, Treinamentos e Lesões" (Phorte Editora), diz que o tênis minimalista se assemelha mais ao de corrida para competição já existente no mercado. Tanto é que estudos recentes comparando os dois tipos de calçado (minimalista e de competição) não encontraram diferenças significativas entre eles.

Ao mesmo tempo um estudo americano concluiu que o tênis minimalista causa menos lesões, já que com ele o metatarso (parte mediana e inferior do pé) chega primeiro ao solo, amenizando o choque entre corpo e chão. Bem diferente do tênis com amortecedor, no qual o calcanhar chega primeiro. Porém, Mauro contesta os resultados.

"Não é o tipo de tênis que induz estas mudanças, mas sim a postura dos próprios corredores. Eles se adaptam a diferentes tipos de rigidez de terreno mudando não somente o apoio do pé, mas também as angulações do joelho, encurtando a passada, o que por si só já diminui o impacto."

Mas não pense em trocar de tênis de uma hora para a outra. A adaptação exige cuidados, pois a mudança se dará no jeito de correr. Assim, o praticante de corrida deve encarar o fato como se fosse iniciar um novo ciclo de treinamento. Uma possibilidade sugerida pelo especialista é iniciar o uso aos poucos e aumentar gradativamente, de forma que o novo calçado vá "conversando" com o corpo.


"O corredor vai passar a usar músculos antes não recrutados ou menos recrutados, o que pode gerar uma diminuição do desempenho no início", adianta Mauro. "Portanto, ao mudar de tênis, se o corredor mantiver o mesmo volume e intensidade de treinamentos de antes poderá se lesionar", completa. Pessoas acima do peso devem evitar o uso dos tênis minimalistas. Como a carga maior está no calcanhar, sem um calçado com amortecimento a lesão pode acontecer de maneira precoce.

É importante ressaltar ainda que este tênis deve ser usado apenas em corridas e não para todos os esportes. Como foi projetado para tal, não possui um bom sistema de proteção contra deslocamentos laterais. "Assim, para a prática de esportes que demandem mudanças bruscas de direção, este calçado não é o mais adequado", afirma Dr. Mauro.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente